Mercado abrirá em 7 h 13 min
  • BOVESPA

    119.646,40
    -989,99 (-0,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.125,71
    -369,70 (-0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,28
    +0,04 (+0,08%)
     
  • OURO

    1.870,90
    +4,40 (+0,24%)
     
  • BTC-USD

    34.704,76
    +42,15 (+0,12%)
     
  • CMC Crypto 200

    687,06
    -13,55 (-1,93%)
     
  • S&P500

    3.851,85
    +52,94 (+1,39%)
     
  • DOW JONES

    31.188,38
    +257,86 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.740,39
    +27,44 (+0,41%)
     
  • HANG SENG

    30.012,19
    +369,91 (+1,25%)
     
  • NIKKEI

    28.771,61
    +138,15 (+0,48%)
     
  • NASDAQ

    13.388,25
    +94,00 (+0,71%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4177
    -0,0809 (-1,24%)
     

Indústria cresce 1,2% em novembro, diz IBGE

CATIA SEABRA
·2 minuto de leitura
*ARQUIVO* MANAUS, AM, 05.08.2018 - Linha de montagem de motos na zona franca de Manaus. (Foto: Lalo de Almeida/Folhapress)
*ARQUIVO* MANAUS, AM, 05.08.2018 - Linha de montagem de motos na zona franca de Manaus. (Foto: Lalo de Almeida/Folhapress)

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A produção industrial brasileira cresceu 1,2% em novembro, sétimo mês seguido de alta, informou nesta sexta-feira (8) o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). O setor acumula alta de 40,7% em sete meses.

Com isso, eliminou a perda de 27,1% registrada entre março e abril. No ano, porém, a indústria nacional apresenta queda de 5,5%. No acumulado de 12 meses até novembro, a perda é de 5,2%. Os dados são da PIM (Pesquisa Industrial Mensal).

Em comparação com seu nível recorde, alcançado em maio de 2011, indústria se encontra 13,9% abaixo.

Segundo o IBGE, o avanço da da atividade industrial na passagem de outubro para novembro de 2020 alcançou todas as quatro grandes categorias econômicas e 17 dos 26 ramos pesquisados.

Mais uma vez, a principal influência foi do segmento de veículos automotores, reboques e carrocerias, com alta de 11,1% . O segmento acumulou alta de 1.203,2% em sete meses consecutivos de crescimento na produção, superando em 0,7% o patamar de fevereiro.

Com esses resultados, o setor industrial chega a alta de 2,6%, acima do patamar de fevereiro. Ao falar dos números registrados em março e abril, o gerente da pesquisa, André Macedo, afirma que a perda de 27,1% "é totalmente relacionada ao aprofundamento das paralisações que ocorreram nesse período em diversas plantas industriais por conta do movimento de isolamento social em função da pandemia da Covid-19".

"No índice acumulado do ano, para o período janeiro/novembro de 2020, o total do setor industrial recua 5,5%. Reduz a magnitude de perda frente aos meses mais recentes, especialmente em relação a maio, quando recuava 11,3%. Mas, ainda assim, mostra uma redução muito mais acentuada do que o verificado nos primeiros dois meses do ano quando mostrava uma perda de 0,6%”, diz Macedo.

De acordo com o IBGE, outros ramos que cresceram em novembro foram de produtos químicos (5,9%), confecção de artigos do vestuário e acessórios (11,3%), máquinas e equipamentos (4,1%), e impressão e reprodução de gravações (42,9%).

Outros setores que apresentaram alta foram couro, artigos para viagem e calçados (7,9%), bebidas (3,1%), produtos de metal (3,0%), outros equipamentos de transporte (12,8%) e metalurgia (1,6%).

No entanto, nove atividades apresentaram queda. Segundo o IBGE, o principal impacto negativo do mês foi registrado nos setores de produtos alimentícios (3,1%), que acumula redução de 5,9% em dois meses de queda, eliminando a alta de 4,0% registrada entre julho e setembro; de indústrias extrativas (2,4%), com o terceiro mês seguido de queda na produção, período em que somou perda de 10,4%; e de produtos farmoquímicos e farmacêuticos (9,8%), interrompendo dois meses de resultados positivos, quando acumulou expansão de 10,8%.