Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.941,68
    -160,31 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.599,38
    -908,97 (-1,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,83
    -0,72 (-0,84%)
     
  • OURO

    1.836,10
    -6,50 (-0,35%)
     
  • BTC-USD

    35.308,09
    -2.387,89 (-6,33%)
     
  • CMC Crypto 200

    870,86
    +628,18 (+258,85%)
     
  • S&P500

    4.397,94
    -84,79 (-1,89%)
     
  • DOW JONES

    34.265,37
    -450,02 (-1,30%)
     
  • FTSE

    7.494,13
    -90,88 (-1,20%)
     
  • HANG SENG

    24.965,55
    +13,20 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    27.522,26
    -250,67 (-0,90%)
     
  • NASDAQ

    14.411,00
    -430,00 (-2,90%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1900
    +0,0599 (+0,98%)
     

Indústria do Brasil tem 6ª queda seguida em novembro

·2 min de leitura

Por Camila Moreira

SÃO PAULO (Reuters) - A produção industrial brasileira manteve a fraqueza na metade do quarto trimestre ao registrar recuo inesperado em novembro, ainda sem conseguir reagir depois das perdas provocadas pelo coronavírus e se afastando cada vez mais do patamar pré-pandemia.

A produção da indústria brasileira teve em novembro queda de 0,2%, informou nesta quinta-feira o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O resultado foi o sexto negativo, período em que o setor acumula perdas de 4,0%, e frustrou a expectativa em pesquisa da Reuters de ganho de 0,1%.

Na comparação com o mesmo mês de 2020, a produção recuou 4,4%, contra projeção de queda de 4,2%.

O setor industrial brasileiro ainda busca se recuperar dos problemas causados pela pandemia de Covid-19, enfrentando um ano marcado por disrupções na cadeia de oferta global e falta de matéria-prima.

A inflação e o desemprego elevados em um ambiente de taxas de juros altas também pesam sobre o cenário.

"O setor industrial ainda sente muitas dificuldades, encontrando-se atualmente 4,3% abaixo do patamar de produção em que estava em fevereiro de 2020”, afirmou o gerente da pesquisa, André Macedo.

“Além disso, a indústria sofre com os juros em alta e a demanda em baixa, impactada pela inflação elevada e a precarização das condições de emprego, já que com o rendimento mais baixo, o trabalhador consome menos”, completou.

No mês de novembro, apesar do resultado negativo, entre as grandes categorias econômicas somente Bens de Capital teve perdas, de 3,0% sobre outubro, eliminando o avanço de 1,8% visto em outubro.

A produção de Bens Intermediários ficou estável, assim como a de Bens de Consumo Semiduráveis e não Duráveis --elas respondem por 80% da média da indústria, de acordo com o IBGE.

O único crescimento aconteceu na produção de Bens de Consumo Duráveis, de 0,5%, após dez meses consecutivos de queda.

Entre as atividades, as principais influências negativas vieram dos produtos de borracha e de material plástico (-4,8%) e metalurgia (-3,0%).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos