Mercado abrirá em 4 h 33 min
  • BOVESPA

    110.909,61
    +2.127,46 (+1,96%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.174,06
    -907,27 (-1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,59
    +0,39 (+0,50%)
     
  • OURO

    1.769,00
    +5,30 (+0,30%)
     
  • BTC-USD

    16.878,75
    +390,72 (+2,37%)
     
  • CMC Crypto 200

    400,93
    +12,21 (+3,14%)
     
  • S&P500

    3.957,63
    -6,31 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    33.852,53
    +3,07 (+0,01%)
     
  • FTSE

    7.512,00
    +37,98 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    18.472,01
    +267,33 (+1,47%)
     
  • NIKKEI

    27.968,99
    -58,85 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    11.542,75
    +18,00 (+0,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4691
    +0,0125 (+0,23%)
     

Indústria do Brasil perde força em outubro pelo 5º mês seguido, mostra PMI

Carros recém-produzidos em estacionamento de fábrica em São Bernardo do Campo, SP

Por Camila Moreira

SÃO PAULO (Reuters) - A contração no volume de encomendas recebidas diante da demanda fraca levou o crescimento da indústria brasileira a perder força pelo quinto mês seguido em outubro, apesar da melhora do cenário inflacionário, de acordo com a pesquisa Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês).

A S&P Global informou nesta terça-feira que seu PMI de indústria do Brasil caiu a 50,8 em outubro de 51,1 em setembro. O índice permaneceu acima da marca de 50 que separa crescimento de contração, mas registrou o nível mais fraco na atual sequência de oito meses de expansão.

"A notícia mais positiva...veio das medidas de preços. As pressões inflacionárias se dissiparam em outubro", disse a diretora associada de economia da S&P Markit, Pollyanna De Lima. "Mas a demanda por bens brasileiros piorou em outubro, caindo pela primeira vez em oito meses apesar de as empresas terem reduzido os preços cobrados."

O subíndice de novas encomendas, com maior influência para o PMI, foi o que mais pesou para o resultado do mês, com a primeira contração em oito meses, ainda que modesta. Segundo os participantes da pesquisa, o motivo foi a demanda fraca.

Ao mesmo tempo, as novas encomendas de exportação recuaram pelo oitavo mês seguido, e a um ritmo sólido, segundo a S&P Global.

Mas apesar disso, os fabricantes brasileiros continuaram em outubro a aumentar os volumes de produção, ainda que a uma taxa modesta, similar àquela vista em setembro.

O cenário relativo aos preços, entretanto, foi mais favorável. Em contraste aos fortes aumentos vistos durante a maior parte dos últimos três anos, os custos de insumos caíram em outubro, na primeira redução desde outubro de 2014 e a mais forte em quase 13 anos e meio.

Segundo a pesquisa, os motivos para isso foram os preços mais baixos das commodities, bem como cortes de impostos de combustíveis e energia.

As empresas transferiram isso para seus clientes por meio da redução dos preços cobrados, a primeira em quase cinco anos e meio e a mais forte desde agosto de 2009, em uma tentativa também de atrair a demanda.

A compra de insumos, no entanto, caiu em outubro, após cinco meses de alta, devido a fraqueza da demanda, estoques suficientes e necessidades menores de produção. Ao mesmo tempo, os estoques de matérias-primas e itens semiacabados subiram a uma taxa forte.

Já o emprego na indústria aumentou no início do quarto trimestre pelo oitavo mês seguido, com as empresas citando reposição de vagas abertas.

Contribuíram para a criação de postos de trabalho as projeções positivas de crescimento. O fabricantes continuavam bastante confiantes em uma alta da produção ao longo dos próximos 12 meses, embora haja preocupações com endividamento, guerra na Ucrânia e incerteza política.

Os dados da pesquisa foram coletados de 12 a 24 de outubro, portanto entre o primeiro e o segundo turno da eleição presidencial.