Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.964,01
    +1.054,98 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.655,29
    -211,86 (-0,42%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,46
    +0,18 (+0,28%)
     
  • OURO

    1.837,30
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    56.517,30
    +615,11 (+1,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.513,93
    +1.271,26 (+523,84%)
     
  • S&P500

    4.152,10
    -36,33 (-0,87%)
     
  • DOW JONES

    34.269,16
    -473,66 (-1,36%)
     
  • FTSE

    6.947,99
    -175,69 (-2,47%)
     
  • HANG SENG

    28.013,81
    -581,89 (-2,03%)
     
  • NIKKEI

    28.608,59
    -909,71 (-3,08%)
     
  • NASDAQ

    13.321,75
    -24,25 (-0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3413
    -0,0041 (-0,06%)
     

Indústria do aço já enfrenta gargalos na retomada, diz Carlos da Costa

·1 minuto de leitura

BRASÍLIA (Reuters) - O secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia, Carlos da Costa, disse que a indústria do país vive forte retomada e já enfrenta gargalos em alguns setores, como no de aço, em que, segundo ele, há falta de vergalhões e aços planos em várias regiões.

Em participação em congresso da Associação Latino-Americana do Aço (Alacero) nesta terça-feira, Costa ressaltou um aumento da demanda por produtos de aço do setor de saneamento, na esteira da aprovação no Congresso do marco regulatório para o segmento que abriu mais espaço para o investimento privado.

O secretário destacou ainda uma melhoria no ambiente de negócios no país desde o início do atual governo. Segundo ele, o Custo Brasil, que foi estimado por sua secretaria em 1,5 trilhão de reais há um ano, já caiu a cerca de 1,2 trilhão de reais.

O valor, segundo Costa, corresponde ao custo para se fazer negócios no Brasil adicional ao que um empresário teria em um país mediano da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE).

(Por Isabel Versiani)