Mercado abrirá em 2 h 37 min
  • BOVESPA

    115.062,54
    -1.118,01 (-0,96%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.192,33
    +377,16 (+0,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,51
    -0,10 (-0,14%)
     
  • OURO

    1.778,40
    -16,40 (-0,91%)
     
  • BTC-USD

    47.950,35
    +538,80 (+1,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.232,81
    +35,60 (+2,97%)
     
  • S&P500

    4.480,70
    +37,65 (+0,85%)
     
  • DOW JONES

    34.814,39
    +236,82 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.053,63
    +37,14 (+0,53%)
     
  • HANG SENG

    24.667,85
    -365,36 (-1,46%)
     
  • NIKKEI

    30.323,34
    -188,37 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    15.468,50
    -35,50 (-0,23%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1473
    -0,0487 (-0,79%)
     

Incertezas político-fiscais e crise hídrica levam XP a ver maior aperto monetário e real mais fraco

·3 minuto de leitura
Torres de alta tensão de eletricidade vista durante pôr do sol em Brasília.

Por Camila Moreira

SÃO PAULO (Reuters) - As incertezas relacionadas ao aumento do risco político-fiscal somadas à crise hídrica e à disseminação da inflação levaram a XP a projetar maior aperto monetário e pressão adicional sobre o câmbio.

"O primeiro e mais importante ponto é a incerteza fiscal e a temperatura política, com um Orçamento no Congresso que não para de pé e vai precisar ser ajustado. Às vésperas de ano eleitoral e com ambiente político como estamos vivendo, é sempre um risco para o arcabouço fiscal", destacou o economista-chefe da XP, Caio Megale, em entrevista a jornalistas.

Diante desse cenário, a projeção da XP para a taxa de câmbio passou de 4,9 reais para 5,2 reais por dólar ao fim deste ano, com o cálculo para o término de 2022 indo de 4,9 reais para 5,1 reais por dólar.

"Nossa avaliação é que o câmbio ainda está muito desvalorizado. Nesse patamar, acaba gerando mais inflação do que ajudando nas contas externas", disse Megale.

Considerando que a pressão sobre a inflação está mais persistente e disseminada, a XP ainda aumentou a projeção para a taxa básica de juros Selic de 7,25% para 8,5% no encerramento do ciclo de aperto monetário, em 2022.

Atualmente os juros básicos estão em 5,25%, e o Banco Central volta a se reunir nos dias 21 e 22 de setembro para discutir a política monetária. A expectativa da XP passou agora a mais duas altas de 1,0 ponto percentual, seguidas de outra de 0,75 ponto em dezembro, levando a Selic a 8% ao fim deste ano. A elevação final do ciclo, de 0,5 ponto, ocorreria no início de 2022.

A alta mais intensa da Selic compensa os efeitos da inércia inflacionária e da taxa de câmbio mais depreciada. Assim, a XP manteve a projeção de alta de 3,7% para o IPCA de 2022, depois de uma taxa de 8,4% neste ano.

ENERGIA

Um dos fatores que podem ajudar na forte desaceleração dos preços prevista para 2022 é a energia elétrica, depois dos aumentos de bandeiras tarifárias neste ano.

"A energia elétrica tem caráter desinflacionário para o ano que vem depois da bandeira este ano. Passaremos de uma alta de 20% da energia em 2021 para queda de 6% em 2022, simplesmente pelo efeito de bandeira tarifária", explicou a economista da XP Tatiana Nogueira.

Mas ambos os resultados para o IPCA ficam bem acima do centro da meta do governo para a inflação, deixando a convergência completa ao objetivo para 2023, segundo a XP.

Em relação à atividade econômica, a perspectiva é de que continue em recuperação no curto prazo, com crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 5,3% em 2021. Mas as perspectivas para 2022 continuam se deteriorando, conforme os juros altos afetam as condições de financiamento e os níveis de investimento e consumo.

Para o ano que vem, a perspectiva de expansão foi reduzida de 1,7% para 1,3%. Esse cenário, no entanto, ainda pode piorar, já que não contabiliza um possível racionamento de energia.

"Para o ano que vem tem elevação das incertezas, e estimamos variações (trimestrais do PIB) bem próximas a zero. Não dá para descartar um cenário de recessão técnica", segundo o economista Rodolfo Margato.

"No evento de um racionamento, com redução compulsória de 10% no consumo de eletricidade, isso retira 1,2 ponto (percentual) do PIB ao longo do ano, o que levaria o PIB a praticamente zero", completou ele, ressalvando, contudo, que a XP considera esse cenário improvável, dado que a probabilidade de racionamento é considerada baixa, entre 20% e 30%.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos