Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,10 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,43 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    60.051,71
    +4,35 (+0,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,35 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,00 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,30 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,06 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

Incertezas impõem teto de 0,50 p.p. para alta de juros, diz ex-BC que vê dólar acima de R$5 no fim do ano

José de Castro
·2 minuto de leitura
Sede do Banco Central, em Brasília (DF)

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - A piora nas expectativas para a economia, o ambiente de incertezas citado nas últimas comunicações do Banco Central e recentes medidas sobre compulsórios indicam que o BC vai limitar o aumento da Selic na quarta-feira a 0,50 ponto percentual, com o juro caminhando para fechar o ano entre 5% e 5,50%, disse Sérgio Goldenstein, consultor independente da Ohmresearch Independent Insights.

"Teremos um crescimento (econômico) de 2,5% neste ano. É medíocre", disse, avaliando ainda que as expectativas de inflação para 2022 --atualmente o ano mais importante no horizonte relevante da política monetária-- não foram contaminadas pelas pressões que se abatem sobre o cenário inflacionário para 2021.

Além disso, o consultor entende que ser mais agressivo na política monetária agora poderia levantar dúvidas sobre o conceito de que não há relação mecânica entre as políticas cambial e monetária.

Goldenstein, ex-chefe do Departamento de Operações de Mercado Aberto do Bacen, acredita que a normalização da política monetária dará algum suporte ao câmbio, reduzindo o caso, nas condições atuais, de o dólar ir para 6 reais. Contudo, ele tampouco vê a moeda abaixo de 5 reais.

O dólar estava em torno de 5,61 reais nesta terça-feira.

"O início da correção na Selic ajuda na correção do câmbio, mas o câmbio depende de mais do que a Selic: depende do quadro fiscal, termos de troca, comportamento global do dólar, Treasuries, ambiente político", disse, afirmando que, na margem, o fiscal ficou mais delicado e o cenário externo se tornou menos favorável.

"O cenário para a economia real é mais delicado, menos favorável. E isso, por consequência, afeta os ativos financeiros do país."

Do lado da política monetária, o ex-diretor do BC avalia que a própria elevação dos juros é um sinal "hawkish" (mais duro com a inflação) ao mercado e que, no comunicado, o Copom deveria evitar se comprometer com um cenário específico.

"Num ambiente de incerteza o BC não tem ganhos ao sinalizar os próximos passos. O comunicado tem que deixar opções em aberto, de modo que o mercado possa entender que, se o balanço de riscos continuar a deteriorar, o BC pode, sim, ajustar o ritmo na frente", afirmou, considerando que, nesse caso, "nada impediria" o BC de aumentar os juros em 0,75 ponto percentual à frente.