Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,51 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.683,55
    -126,65 (-0,28%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,18
    -0,09 (-0,17%)
     
  • OURO

    1.853,90
    -2,30 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    32.964,97
    +175,65 (+0,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    672,23
    +62,24 (+10,20%)
     
  • S&P500

    3.841,47
    -11,60 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    30.996,98
    -179,02 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.695,07
    -20,35 (-0,30%)
     
  • HANG SENG

    29.744,86
    +297,01 (+1,01%)
     
  • NIKKEI

    28.756,14
    +124,69 (+0,44%)
     
  • NASDAQ

    13.438,75
    +77,25 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6547
    +0,0027 (+0,04%)
     

Incerteza sobre vacinação da população é ponto relevante para prognósticos de PIB e inflação, diz BC

·3 minuto de leitura
Incerteza sobre vacinação da população é ponto relevante para prognósticos de PIB e inflação, diz BC

BRASÍLIA (Reuters) - O Banco Central avaliou nesta quinta-feira que a incerteza sobre como e em que velocidade se dará a vacinação da população contra o coronavírus é um ponto relevante para os cálculos de atividade econômica e inflação, considerando que o movimento permitirá a flexibilização do distanciamento social.

A mensagem vem em meio a indefinições e constantes idas e vindas do governo sobre quando efetivamente os brasileiros começarão a ser imunizados, composição dos grupos prioritários e escolha das vacinas.

Em seu Relatório Trimestral de Inflação, o BC pontuou que, de um lado, o início da aplicação da vacina destravaria a demanda de setores prejudicados pela crise, melhorando "de forma substancial a confiança na economia, reforçada pelo atual estímulo monetário inédito e condições financeiras acomodatícias, estimulando a economia de forma mais forte do que a contemplada no cenário-base".

Esse movimento, sublinhou o BC, representaria um risco altista para a inflação.

Por outro lado, a autoridade monetária também apontou nesta quinta-feira que o prolongamento da epidemia de coronavírus reduziria a projeção de inflação para 2021 em 1 ponto, a uma alta de 2,4%, ante estimativa de 3,4% em seu cenário-base.

A conta para a inflação em 2022 também seria afetada em 0,9 ponto, a um IPCA de 2,5%, frente a uma elevação de 3,4% no cenário-base.

Nos dois casos, os desempenhos ficariam bem mais distantes das metas, que são de inflação de 3,75% em 2021 e 3,50% em 2022, sempre com margem de tolerância de 1,5 ponto para mais ou para menos.

O BC reiterou mensagem da sua decisão sobre política monetária, de que a lentidão na economia pode produzir trajetória de inflação abaixo da esperada, notadamente quando essa ociosidade está concentrada no setor de serviços --o mais afetado pelo isolamento social e o que seria mais ajudado pela aplicação ampla da vacina.

"Esse risco se intensifica caso uma reversão mais lenta dos efeitos da pandemia prolongue o ambiente de elevada incerteza e de aumento da poupança precaucional", disse.

EFEITO DO DESARRANJO FISCAL

Já numa simulação quanto aos impactos para a inflação de um desarranjo nas contas públicas e seus desdobramentos sobre o câmbio, incerteza econômica e prêmio de risco, o BC estimou que a inflação no próximo ano terminaria com alta de 6,4%, salto de 3 pontos em relação ao cenário-base e ultrapassando o limite superior do intervalo de tolerância da meta, de 5,25%.

Para 2022, o impacto seria de 0,8 ponto, a 4,2%.

"O aumento da inflação se dá pelo repasse cambial, tanto para preços livres como administrados, pelo aumento da taxa de juros real neutra e pelos efeitos nas expectativas de inflação", disse o BC.

"Os efeitos são mais fortes em 2021 em virtude de o choque começar já no primeiro trimestre do ano. Parcela significativa da transmissão dos efeitos da depreciação cambial sobre a inflação ocorre em prazos relativamente curtos, tendo em vista a resposta de preços de combustíveis e de commodities em moeda nacional", completou.

(Por Marcela Ayres)