Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    54.452,93
    -37,45 (-0,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

Incerteza sobre PEC dos Precatórios faz Bolsa renovar pior marca do ano

·4 min de leitura
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 09.05.2015 - Gráfico de indicadores econômicos na sede da Bolsa de Valores de SP. (Foto: Diego Padguarshi/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 09.05.2015 - Gráfico de indicadores econômicos na sede da Bolsa de Valores de SP. (Foto: Diego Padguarshi/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Incertezas sobre a situação fiscal do país para 2022 levaram novamente a Bolsa de Valores brasileira a fechar em queda nesta segunda-feira (22).

O Ibovespa, índice de referência do mercado de ações, caiu 0,89%, a 102.122 pontos, renovando a pior marca em pouco mais de um ano, o que já havia ocorrido na última quinta-feira (18). A pontuação desta segunda é a menor desde 6 de novembro de 2020, quando o indicador fechou em 100.925 pontos.

Apesar do avanço da percepção do risco fiscal, o dólar caiu 0,28%, a R$ 5,5940. Ainda assim, a moeda está em um patamar considerado elevado, o que abre espaço para eventuais correções.

No mercado internacional, a moeda americana apresentou valorização em relação a rivais após a recondução de Jerome Powell à chefia do Fed (Federal Reserve, o banco central americano) por mais quatro anos.

A notícia de que a liberação de recursos pela PEC (proposta de emenda à Constituição) dos Precatórios não será suficiente para bancar as promessas do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para 2022 reavivou entre investidores a expectativa de mais aumentos de gastos no ano eleitoral.

Segundo dados atualizados divulgados pelo Ministério da Economia nesta segunda, a PEC permitirá um aumento de R$ 106,1 bilhões.

O valor é suficiente para despesas obrigatórias, ampliação do Auxílio Brasil e prorrogação da desoneração da folha de pagamentos, mas não cobre as demais promessas de Bolsonaro, como medidas voltadas para caminhoneiros, o vale-gás e o reajuste salarial a servidores federais.

A pressão gerada pelo risco fiscal foi forte o suficiente para colocar em segundo plano ganhos robustos no setor de commodities.

A Vale (VALE3) subiu 5,56%, registrando o maior ganho do pregão e também o topo da lista dos papéis mais negociados.

A expectativa de ampliação dos estímulos pelo banco central chinês elevou os preços do minério de ferro no mercado internacional.

"Há uma valorização muito forte do minério na China e a demanda por produtos de ação aumentou por duas semanas consecutivas", diz Filipe Fradinho, analista técnico da Clear.

Além da Vale, o setor de siderurgia do país recuperou perdas acumuladas recentemente com a desaceleração da economia chinesa.

A Petrobras (PETR4) avançou 1,00%, acompanhando a leve valorização do petróleo no mercado internacional. O barril do Brent subiu 0,56%, a US$ 79,33 (R$ 442,93).

Em Wall Street, o índice Dow Jones subiu 0,05%. O S&P 500 recuou 0,32% e o Nasdaq caiu 1,26%.

Após uma abertura com os principais índices renovando recordes, o mercado passou a avaliar que a manutenção de Powell no Fed garantiria a elevação de juros, desfavorecendo os investimentos de risco.

O dia foi de resultados negativos no exterior para empresas brasileiras que operam meios de pagamentos, chamadas adquirentes, que são responsáveis pelas populares maquininhas de cartão de crédito e de débito.

Listadas no mercado americano, a Stone caiu 11,08% e a PagSeguro recuou 7,03% após um relatório do Bradesco BBI rebaixar as recomendações das ações das empresas.

A Stone caiu de neutra para desempenho esperado abaixo da média do mercado. A PagSeguro, pertencente ao Grupo UOL -que tem participação minoritária e indireta do Grupo Folha, que edita o jornal Folha de S.Paulo-, que tinha recomendação de desempenho acima da média, teve a nota cortada para neutra.

O relatório do BBI aponta, em termos gerais, um cenário desafiador para o setor em 2022, dando destaque para a alta dos juros.

Em meio à incerteza fiscal, a taxa de juros DI (Depósitos Interbancários) para janeiro de 2023, referência para a maior parte dos contratos ao longo do próximo ano, avançou 0,29 ponto percentual nesta segunda, a 12,34% ao ano.

No caso da Stone, a equipe do Bradesco também reportou preocupação com o aumento considerável nos custos devido à aquisição da empresa de tecnologia para o varejo Linx.

Sobre a PagSeguro, o relatório avalia aumento dos custos operacionais enquanto a empresa direciona investimentos para o PagBank.

A Cielo, cujas ações estão na B3 (Bolsa de Valores brasileira), teve a sua recomendação mantida em neutra. Os papéis da empresa recuaram 3,64%.

O contexto global, porém, é desfavorável para o setor de adquirentes, considerando resultados de outras companhias do setor.

A empresa de meios de pagamento Square recuou 6,1% no mercado americano nesta segunda. A multinacional indiana Paytm, cujo IPO ocorreu na semana passada, já acumula perdas de 37%, sendo uma queda de 12,89% apenas neste pregão da bolsa local.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos