Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.348,80
    -3.132,20 (-2,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.892,28
    -178,62 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    51,80
    -0,56 (-1,07%)
     
  • OURO

    1.822,40
    -7,50 (-0,41%)
     
  • BTC-USD

    35.989,72
    +55,56 (+0,15%)
     
  • CMC Crypto 200

    701,33
    -33,81 (-4,60%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.735,71
    -66,25 (-0,97%)
     
  • HANG SENG

    28.443,18
    -130,68 (-0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.270,29
    -248,89 (-0,87%)
     
  • NASDAQ

    12.752,00
    -50,25 (-0,39%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3864
    -0,0062 (-0,10%)
     

Incerteza fiscal e mudança em regras de hedge são fatores por trás de patamar do câmbio, diz Serra

·1 minuto de leitura

BRASÍLIA (Reuters) - A incerteza fiscal é um fator muito importante para explicar o nível em que está a taxa de câmbio, além da mudança nas regras de hedge anunciada durante a pandemia, disse nesta terça-feira o diretor de Política Monetária do Banco Central, Bruno Serra.

Ao comentar sobre câmbio e variáveis macroeconômicas, o diretor afirmou, contudo, que sua expectativa no longo prazo é que haja um retorno a um equilíbrio estrutural.

Serra disse ainda não ver muita mudança no cenário fiscal desde a última reunião do Copom, ocorrida nos dias 8 e 9 de dezembro, mas afirmou que o BC segue trabalhando com seu cenário-base, que contempla manutenção do teto de gastos.

(Por Isabel Versiani)