Mercado abrirá em 1 h 57 min
  • BOVESPA

    111.399,91
    +2.506,91 (+2,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.895,63
    +1.116,73 (+2,67%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,64
    +0,09 (+0,20%)
     
  • OURO

    1.829,10
    +10,20 (+0,56%)
     
  • BTC-USD

    19.056,81
    -114,93 (-0,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    374,02
    -5,84 (-1,54%)
     
  • S&P500

    3.662,45
    +40,82 (+1,13%)
     
  • DOW JONES

    29.823,92
    +185,32 (+0,63%)
     
  • FTSE

    6.401,71
    +16,98 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    26.532,58
    -35,10 (-0,13%)
     
  • NIKKEI

    26.800,98
    +13,44 (+0,05%)
     
  • NASDAQ

    12.441,75
    -10,50 (-0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2999
    -0,0071 (-0,11%)
     

Inadimplência da dívida de estatais chinesas desencadeia liquidação nos mercados e temores de crise

·1 minuto de leitura

XANGAI (Reuters) - Os bancos e gestores de fundos chineses se desfizeram de suas carteiras em títulos corporativos mais arriscados nesta sexta-feira, depois que uma série de inadimplências de empresas estatais de alto nível gerou ondas de choque no mercado de títulos corporativos doméstico.

Com o aumento dos rendimentos dos títulos de baixa classificação, analistas especularam que o calote sugere que as autoridades estavam voltando a limpar o acúmulo excessivo de dívidas em uma economia que está emergindo da pandemia de coronavírus.

Uma mineradora chinesa que deixou de pagar sua dívida esta semana cancelou uma reunião de investidores desta sexta-feira por temer que se tornasse caótica depois que muitos credores aparecessem.

Os investidores tradicionalmente consideram os títulos emitidos por empresas estatais como menos arriscados devido ao apoio do governo.

Mas a recente inadimplência da Yongcheng Coal & Electricity Holding Group e de outros órgãos do governo desencadeou uma liquidação esta semana de dívidas emitidas por empresas estatais, levantando os temores de uma crise de crédito em andamento.

"Depois que o ambiente de crédito é destruído, é muito difícil reconstruir a confiança", escreveu Qu Qing, analista da Jianghai Securities.

(Por Samuel Shen, Andrew Galbraith e Winni Zhou)