Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -634,97 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,16 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,94
    +0,03 (+0,04%)
     
  • OURO

    1.878,70
    -0,90 (-0,05%)
     
  • BTC-USD

    38.791,62
    +3.186,80 (+8,95%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,40 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,87 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    14.020,00
    +25,75 (+0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1933
    +0,0398 (+0,65%)
     

Início de construção de moradias nos EUA cai com força em abril

·2 minuto de leitura
Casas em construção na Flórida, EUA

Por Lucia Mutikani

WASHINGTON (Reuters) - A construção de casas nos Estados Unidos caiu mais do que o esperado em abril, provavelmente pressionada para baixo pelo aumento dos preços da madeira e outros materiais, mas a construção continua sustentada por uma aguda escassez de moradias usadas no mercado.

O início de construção de novas moradias nos EUA caiu 9,5%, para uma taxa anual ajustada sazonalmente de 1,569 milhão de unidades no mês passado, disse o Departamento de Comércio nesta terça-feira. Os dados de março foram revisados para baixo a uma taxa de 1,733 milhão de unidades, ainda o nível mais alto desde junho de 2006, ante 1,739 milhão de unidades informadas anteriormente.

Economistas consultados pela Reuters previam queda para 1,710 milhão de unidades em abril.

O início de construções saltou 67,3% na comparação com o mesmo período do ano anterior em abril. A atividade caiu no Centro-Oeste e no Sul, mas aumentou no Nordeste e no Oeste dos EUA.

A demanda por moradias maiores e mais caras em meio à pandemia de Covid-19 -- que obrigou milhões de norte-americanos a trabalharem de casa e assistirem a aulas remotamente -- alimentou um boom no mercado imobiliário. Mas o vírus interrompeu a oferta de mão-de-obra nas fábricas e portos, levando à escassez de madeira e outras matérias-primas, aumentando os preços e ameaçando afastar os compradores de primeira viagem do mercado imobiliário.

As licenças para construção futura de moradias subiram 0,3%, para uma taxa de 1,760 milhão de unidades em abril. Elas dispararam 60,9% em relação a abril de 2020.

A construção de residências unifamiliares, a maior parcela do mercado imobiliário, caiu 13,4%, para uma taxa de 1,087 milhão de unidades em abril. Ela recuou ainda mais ante uma máxima em mais de 14 anos registrada em dezembro, um sinal de que os construtores podem estar se contendo por causa dos materiais caros.

As licenças para construção de residências unifamiliares caíram 3,8%, para uma taxa de 1,149 milhão de unidades.

Os inícios de construção no volátil segmento multifamiliar aumentaram 0,8%, para um ritmo de 482 mil unidades. As licenças de construção para projetos habitacionais multifamiliares aceleraram 8,9%, para uma taxa de 611 mil unidades em abril.

A conclusão de moradias caiu 4,4% no mês passado. A conclusão de residências unifamiliares subiu 0,1%, para uma taxa de 1,045 milhão.

(Por Lucia Mutikani)