Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    49.217,75
    +2.519,62 (+5,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Imunidade cruzada contra zika e dengue dura mais do que se pensava

·3 min de leitura

Pesquisadores da Universidade da Califórnia (UC), Universidade de Michigan e do Instituto de Ciências Sustentáveis ​​em Manágua, descobriram que os anticorpos de proteção cruzada da dengue e do zika duram mais tempo do que se pensava anteriormente. O estudo foi feito com mais de quatro mil crianças da Nicarágua e os resultados foram publicados na Science Translational Medicine.

Durante 11 anos, Leah C. Katzelnick, da divisão de doenças infecciosas e de vacinas da UC, EUA, liderou a equipe de pesquisa. Em 2015, os pesquisadores do estudo conseguiram identificar os primeiros indícios sobre a proteção de anticorpos com reatividade cruzada. Isso aconteceu durante a epidemia que atingiu vários países do Caribe, América Central e do Sul, incluindo o Brasil.

À medida que os países lutavam contra a epidemia, o número de casos de dengue caiu drasticamente. Ambas doenças são causadas pelo vírus da mesma família (flavivírus) e transmitidas pelo Aedes aegypti. Dessa forma, aqueles que se recuperaram das infecções por dengue, teriam anticorpos de proteção cruzada capazes de neutralizar tanto uma quanto outra inflamação.

Aedes aegypti, o vetor da dengue, Zika e chikungunya (Imagem: Nuriyah/Pixabay)
Aedes aegypti, o vetor da dengue, Zika e chikungunya (Imagem: Nuriyah/Pixabay)

Imunidade cruzada

O sistema imunológico tem dois mecanismos de combate a um agente infeccioso: a imunidade inata e a adaptativa (também chamada de adquirida).

A inata é a primeira proteção que o corpo tem, nasce com a gente, porém, não gera uma resposta duradoura e de memória e serve para qualquer micro-organismo. Já a imunidade adaptativa produz uma proteção específica para cada corpo estranho que entra em contato com o corpo e é responsável pela memória imunológica.

Os linfócitos T, que identificam e matam células infectadas, e os linfócitos B, que fabricam anticorpos, são as células responsáveis por esse processo. Quando há o primeiro contato com qualquer corpo estranho, as células da imunidade inata vão entrar em ação para tentar barrá-lo e, ao mesmo tempo, enviam um sinal para que a imunidade adaptativa produza anticorpos e uma defesa mais eficiente e duradoura para combatê-lo.

Semelhança vantajosa para o sistema imune

Há proteínas semelhantes nos vírus que compõem a família da dengue e do zika, e essa semelhança faz com que os anticorpos se "encaixem" em mais de um deles. Quando há um segundo contato, as células e anticorpos da imunidade adquirida estarão prontas e a resposta do sistema imunológico será mais eficaz.

Anticorpos
Anticorpos contra dengue funcionam contra Zika e vice-versa (Imagem: Freepik)

Descobertas

Para que isso fosse possível, os pesquisadores analisaram vários exames de sorotipos de dengue (vírus em circulação), definidos na análise como 1, 2, 3 e 4. Katzelnick explicou que os anticorpos perdiam sua potência neutralizante em cerca de dois anos e, nesses casos, as pessoas poderiam ficar vulneráveis a doenças causadas por outros sorotipos da dengue.

Contudo, uma infecção secundária com um sorotipo diferente induz anticorpos protetores de sorotipos cruzados estáveis, sendo que a proteção cruzada permaneceu estável ​​por até 11 anos. Os cientistas usaram um exame de enzima chamado iELISA que mede os anticorpos associados à proteção contra a dengue e o zika.

Katzelnick disse que os títulos gerais do vírus da dengue iELISA se estabilizaram oito meses após a infecção primária da doença para uma meia-vida mais longa do que a vida humana, e depois diminuíram.

Segundo a pesquisa, essa meia-vida foi estimada em 130 mil anos. Além disso, os pesquisadores observaram que anticorpos de proteção cruzada que eram mais estáveis ​​em crianças infectadas com o vírus Zika. Apesar disso, a quantidade de células de defesa de proteção cruzada difere entre as crianças, algo que indica que a quantidade de anticorpos determina o grau de proteção.

Com a descoberta, os pesquisadores esperam ampliar a compreensão sobre imunidade natural e a induzida pela vacina.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos