Mercado fechado

Impunidade ao herdeiro da Red Bull gera protestos estudantis na Tailândia

Sophie DEVILLER y Nattakorn PLODDEE
·3 minutos de leitura
Manifestantes contra a Red Bull, em Bangkok
Manifestantes contra a Red Bull, em Bangkok

Uma Ferrari em alta velocidade por Bangcoc, um policial morto atropelado e arrastado por 200 metros e, no volante, o herdeiro do império Red Bull. Oito anos depois, o personagem continua impune, provocando a ira da juventude tailandesa e forçando o governo a reagir.

O primeiro-ministro, Prayut Chan-O-Cha, que admitiu "falhas" durante toda a investigação, se manifestou nesta terça-feira a favor de "uma reforma do sistema judicial", solicitando propostas a uma comissão para o final de setembro.

A retirada em julho das acusações contra Vorayuth Yoovidhya, conhecido como "Boss", de 38 anos, o único acusado, acendeu o pavio.

A camiseta da Red Bull estampa as manifestações estudantis que abalam o reino exigindo mais democracia.

"Os super ricos na Tailândia frequentemente evitam o julgamento independente da gravidade do crime", disse à AFP Paul Chambers, da Universidade de Naresuan (centro). "A juventude (...) tem sede de mudança e quer eliminar este sistema injusto", acrescentou.

- Mandado de prisão -

Os rumores motivaram a abertura de uma nova investigação no início de agosto e foi emitido um mandado de prisão contra o neto do criador do energético.

Em 3 de setembro de 2012, Boss, um dos herdeiros da família cuja fortuna, segundo a Forbes, é de mais de 20 bilhões de dólares, dirigia sua Ferrari pelas ruas de Bangcoc quando atropelou um policial em uma motocicleta, o arrastou por 200 metros e fugiu.

O óleo que escapou do carro levou a polícia à sua suntuosa mansão.

Ele negou os fatos, mas depois admitiu que estava no volante. Foi indiciado por excesso de velocidade, atropelamento e fuga e por não ajudar uma pessoa em perigo. Depois, foi libertado sob fiança.

No tribunal penal, ele poderia ser condenado a 10 anos de prisão. 

Mas evitou várias vezes o tribunal, alegando problemas de saúde. No entanto, estava na verdade esquiando no Japão ou hospedado em hotéis luxosos ao redor do mundo, segundo as redes sociais. 

Em 2017, fugiu da Tailândia pouco antes de um mandado de prisão ser emitido contra ele. 

Atualmente, algumas acusações prescreveram. 

"Pedimos que se elimine o prazo de prescrição em caso de fuga ao exterior", disse nesta terça-feira à imprensa Vicha Mahakun, presidente da comissão encarregada de reformar a Justiça.

- Encurralado -

De acordo com a primeira investigação, a Ferrari rodava a 79 km/h, mas nenhum especialista foi enviado ao local. 

Dois anos depois, duas testemunhas apareceram afirmando ter estado no local do incidente.

Segundo elas, o policial cortou a passagem do herdeiro da Red Bull que não dirigia rápido. Relatórios periciais divulgados no mês passado, no entanto, estimam que as imagens das câmeras de vigilância revelam uma velocidade de 177 km/h.

Outra estranheza, em 30 de julho uma das testemunhas morreu em sua motocicleta em Chiang Mai (norte). A polícia determinou que foi um acidente, mas há mistérios, como o desaparecimento do cartão SIM do celular do falecido.

Boss parece estar encurralado. Desde a reabertura da investigação, foi indicado por "condução imprudente que resultou em morte" e é acusado de estar sob influência de cocaína naquela noite, o que a polícia não confirmou na ocasião.

sde-tii/dga/age/mis/aa