Mercado fechado
  • BOVESPA

    128.057,22
    -1.202,27 (-0,93%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.202,80
    -376,30 (-0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,01
    -0,03 (-0,04%)
     
  • OURO

    1.776,20
    +1,40 (+0,08%)
     
  • BTC-USD

    38.158,43
    -272,02 (-0,71%)
     
  • CMC Crypto 200

    938,66
    -31,22 (-3,22%)
     
  • S&P500

    4.221,86
    -1,84 (-0,04%)
     
  • DOW JONES

    33.823,45
    -210,22 (-0,62%)
     
  • FTSE

    7.153,43
    -31,52 (-0,44%)
     
  • HANG SENG

    28.558,59
    +121,75 (+0,43%)
     
  • NIKKEI

    29.018,33
    -272,68 (-0,93%)
     
  • NASDAQ

    14.193,75
    +28,25 (+0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9875
    +0,0250 (+0,42%)
     

Impressão 3D pode ajudar em tratamentos de COVID-19, câncer e outras doenças

·3 minuto de leitura

Em tempos de pandemia de COVID-19, a medicina encontrou uma aliada inesperada: a impressão em 3D. Uma equipe de especialistas do Instituto Wake Forest de Medicina Regenerativa está usando o processo (que eles chamam de bioprinting) para a criação de pequenas réplicas de órgãos humanos para testar medicamentos capazes de combater a doença causada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2.

A equipe está construindo pulmões em miniatura e enviando para testes em um laboratório de biossegurança da Universidade George Mason, no estado norte-americano da Virgínia, e está começando a imprimi-las em escala para pesquisas, à medida que a situação da pandemia continua a ficar cada vez mais intensa. Nos últimos anos, o instituto já havia imprimido esses minúsculos aglomerados de células para testar a eficácia de medicamentos contra bactérias e doenças infecciosas, mas nunca cogitaram isso como uma pandemia, até então.

Os pesquisadores estão aperfeiçoando os métodos para testar medicamentos e, eventualmente, criar pele e órgãos em tamanho real para transplante. A ideia por trás da impressão de pele, por exemplo, é ajudar as vítimas de queimaduras, gerenciar doenças como diabetes (onde a cicatrização de feridas é difícil), e realizar testes de cosméticos sem prejudicar animais.

No entanto, a importância da bioprinting não se limita apenas para tratamentos para a COVID-19, mas também câncer e outras doenças. A base para um órgão impresso é conhecida como andaime, feito de materiais biodegradáveis. Uma parte importante do processo é a construção de vasos sanguíneos. Os pesquisadores do instituto imprimiram a epiderme e a derme, as duas primeiras camadas da pele.

Impressão 3D é usada para tratamentos contra COVID-19, câncer e outras doenças (Imagem: Unsplash)
Impressão 3D é usada para tratamentos contra COVID-19, câncer e outras doenças (Imagem: Unsplash)

Mas o trabalho deles atingiu um obstáculo: sem incorporar os vasos sanguíneos, a pele acaba se soltando. Em colaboração com a Universidade de Yale, eles conseguiram construir todas as três camadas de pele humana. Eles começaram a experimentar a integração de células humanas, que revestem os vasos sanguíneos, e células que circundam as da pele. Eventualmente, após muitas tentativas e erros, eles conseguiram integrar os vasos sanguíneos com a pele e descobriram que eram formadas conexões entre os vasos sanguíneos novos e existentes.

O trabalho é preliminar, mas os especialistas estão esperançosos de que o sucesso na impressão de pele possa preparar o terreno para o êxito em humanos. A pesquisa é minuciosa e envolve muitas tentativas e erros. O laboratório também está investigando se o tecido ósseo humano pode ser impresso para eventual transplante. A expectativa é que, no futuro, os exames radiográficos dos pacientes possam ser traduzidos para a forma exata necessária para a implantação.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos