Mercado fechará em 3 h 48 min
  • BOVESPA

    121.228,83
    -2.347,73 (-1,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.115,60
    -518,31 (-1,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,11
    -2,45 (-3,47%)
     
  • OURO

    1.809,10
    -1,00 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    39.378,58
    +1.289,63 (+3,39%)
     
  • CMC Crypto 200

    970,14
    +43,38 (+4,68%)
     
  • S&P500

    4.407,58
    -15,57 (-0,35%)
     
  • DOW JONES

    34.835,17
    -281,23 (-0,80%)
     
  • FTSE

    7.123,86
    +18,14 (+0,26%)
     
  • HANG SENG

    26.426,55
    +231,73 (+0,88%)
     
  • NIKKEI

    27.584,08
    -57,75 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    15.052,25
    +6,00 (+0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1948
    +0,0293 (+0,48%)
     

Imprensa diária nacional dos EUA teve um bom ano, mas a regional sofreu (estudo)

·2 minuto de leitura
A sede do Washington Post em Washington, em 16 de maio de 2019

Os jornais New York Times, Wall Street Journal e Washington Post tiveram um bom ano em 2020, enquanto o restante dos periódicos americanos voltou a perder leitores apesar do aumento de assinantes digitais, segundo um estudo publicado nesta terça-feira (29) pelo centro independente Pew Research.

Diante da diminuição da receita publicitária e das edições impressas, os três jornais com audiência nacional e inclusive internacional, conseguiram ter um bom desempenho graças às assinaturas on-line.

Em 2020, o New York Times experimentou um aumento de 52% em assinaturas on-line, e de 43% no total se forem incluídas as edições impressas. O Washington Post, por sua vez, registrou um aumento de aproximadamente 50% em sua carteira de assinantes digitais, enquanto o Wall Street Journal terminou o ano com um aumento de 29% (+21% no total).

Ao mesmo tempo, o restante da imprensa, sobretudo os jornais locais e regionais, viu cair seu portfólio de assinantes em 6%.

O aumento de 27% dos assinantes digitais não foi suficiente para compensar a queda de 19% das edições impressas.

O Pew Research Center, no entanto, destaca que a queda de 6% no número total de assinantes é a menor nos últimos seis anos, o que indicaria que o declínio poderia estar freando ou inclusive se estabilizando.

Enquanto os três gigantes da imprensa americana se beneficiaram de um ano excepcional para as notícias, com a crise do coronavírus, o movimento contra o racismo e a eleição presidencial, os efeitos foram menos claros para os demais jornais regionais e locais.

No fim de 2020, o New York Times, o Wall Street Journal e o Washington Post representavam cerca de um terço de todas as suas assinaturas de jornais nos Estados Unidos.

Outro fato significativo é que, pela primeira vez em 65 anos, os jornais americanos, excluindo o Times, o Post e o Journal, gearam mais renda com assinaturas e venda de exemplares do que com publicidade. As receitas com publicidade foram divididas por três em dez anos.

Em termos de pessoal, a imprensa diária americana (excluindo os três jornais nacionais) perdeu outros 4.000 postos de trabalho em 2020. Desde 2008, as redações suprimiram mais de 40.000 postos de trabalho e agora têm apenas 30.820, segundo o estudo publicado nesta terça-feira.

tu/iba/gma/dga/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos