Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.348,80
    -3.132,20 (-2,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.892,28
    -178,62 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,04
    -0,32 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.827,70
    -2,20 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    36.609,41
    +1.608,75 (+4,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    701,93
    -33,21 (-4,52%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.735,71
    -66,25 (-0,97%)
     
  • HANG SENG

    28.573,86
    +76,96 (+0,27%)
     
  • NIKKEI

    28.519,18
    -179,12 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    12.759,00
    -43,25 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3864
    +0,0729 (+1,15%)
     

Importador de combustível diz que Petrobras tem preços "predatórios" e vai ao Cade

·1 minuto de leitura
.

SÃO PAULO (Reuters) - A Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis (Abicom) vai protocolar nesta sexta-feira novo ofício no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) alertando sobre o que considera práticas de preços de combustíveis "predatórias" pela Petrobras, disse o presidente-executivo da entidade à Reuters, Sergio Araujo.

Segundo ele, há "fortes indícios" de que o governo está interferindo nos preços da Petrobras, "com prejuízos para importadores e acionistas".

Para Araujo, a situação está "insuportável" para importadores de combustíveis, pois há defasagem de preços de diesel e gasolina da Petrobras ante o mercado internacional.

De acordo com dados da Abicom, a defasagem média do preço do diesel está em 0,22 real por litro, enquanto a da gasolina se encontra em 0,31 real.

Araujo disse que o novo ofício a ser protocolado no Cade trará mais informações sobre as práticas da Petrobras.

A Reuters contatou a Petrobras, mas não foi possível obter uma resposta imediata.

(Por Roberto Samora)