Mercado abrirá em 4 h 4 min
  • BOVESPA

    116.230,12
    +95,66 (+0,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.046,58
    +616,83 (+1,36%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,18
    -0,34 (-0,39%)
     
  • OURO

    1.722,10
    -8,40 (-0,49%)
     
  • BTC-USD

    20.154,12
    +242,73 (+1,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    456,47
    +11,03 (+2,48%)
     
  • S&P500

    3.790,93
    +112,50 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    30.316,32
    +825,43 (+2,80%)
     
  • FTSE

    7.004,07
    -82,39 (-1,16%)
     
  • HANG SENG

    18.087,97
    +1.008,46 (+5,90%)
     
  • NIKKEI

    27.120,53
    +128,32 (+0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.548,75
    -92,00 (-0,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1553
    -0,0126 (-0,24%)
     

Importações de energia levam zona do euro a déficit comercial em junho

Porto de Hamburgo, Alemanha

BRUXELAS (Reuters) - Os países da zona do euro passaram a registrar déficit comercial em junho contra superávit 12 meses antes por causa do aumento dos preços do gás e do petróleo importados, mostraram nesta terça-feira dados da Eurostat.

A Eurostat disse que o déficit comercial dos 19 países que compartilham o euro com o resto do mundo, não ajustado para variações sazonais, foi de 24,6 bilhões de euros em junho, comparado a um superávit de 17,2 bilhões em junho de 2021.

Ajustado sazonalmente, o déficit foi ainda maior, acelerando de 27,2 bilhões de euros em maio para 30,8 bilhões.

A Eurostat não apresentou detalhes para a zona do euro, mas para toda a União Europeia o déficit comercial em energia nos primeiros seis meses do ano quase triplicou, passando de 105,6 bilhões de euros no mesmo período de 2021 para 290,8 bilhões de euros.

A diferença comercial da UE com a Rússia, seu principal fornecedor de gás e petróleo, quase quadruplicou para 90,6 bilhões de euros nos primeiros seis meses, de 24,6 bilhões no mesmo período do ano passado.

O déficit comercial da UE com a Noruega, que o bloco vê como um substituto parcial para as importações da Rússia, aumentou com ainda mais força para 35,8 bilhões de euros nos primeiros seis meses, de apenas 500 milhões no ano anterior.

(Reportagem de Jan Strupczewski)