Mercado abrirá em 1 h 35 min
  • BOVESPA

    110.140,64
    -1.932,91 (-1,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.874,91
    -1.144,00 (-2,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    75,90
    +0,02 (+0,03%)
     
  • OURO

    1.924,60
    -6,20 (-0,32%)
     
  • BTC-USD

    23.410,93
    -403,89 (-1,70%)
     
  • CMC Crypto 200

    534,50
    -10,81 (-1,98%)
     
  • S&P500

    4.179,76
    +60,55 (+1,47%)
     
  • DOW JONES

    34.053,94
    -39,02 (-0,11%)
     
  • FTSE

    7.838,15
    +17,99 (+0,23%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.647,75
    -199,00 (-1,55%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4973
    +0,0076 (+0,14%)
     

Importações e exportações chinesas caem em dezembro

Afetadas pelas restrições sanitárias decorrentes da covid-19, as exportações chinesas registraram em dezembro passado sua queda mais acentuada desde 2020, de 9,9%, na comparação com o ano anterior — conforme dados oficiais divulgados nesta sexta-feira (13).

A Alfândega chinesa informou que as importações também sofreram uma contração, com variação de -7,5% em relação a dezembro de 2021.

No conjunto de 2022, as exportações do gigante asiático cresceram 7%, o que representa uma forte desaceleração em comparação à alta de 29,9% do ano anterior.

A segunda maior economia do mundo ainda sofre o impacto de seus anos de política de "covid zero", os quais afetaram os negócios e as cadeias de suprimentos, assim como o consumo.

Em dezembro, a China começou a suspender a maioria de suas estritas medidas sanitárias e, desde então, enfrenta um grande aumento do número de casos de covid-19.

A queda das exportações em dezembro marcou o segundo mês consecutivo de números negativos, após registrarem um recuo de 8,7% entre novembro de 2021 e 2022. As importações também tiveram seu segundo mês de queda, que chegou a -10,6% em novembro.

Combinada com o aumento dos preços da energia, a ameaça de recessão nos Estados Unidos e na Europa contribuiu para enfraquecer a demanda global por produtos chineses.

sbr/je/dan/mas/dl/ms/tt