Mercado abrirá em 4 h 28 min
  • BOVESPA

    122.937,87
    +1.057,05 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.371,98
    +152,72 (+0,31%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,71
    +0,44 (+0,66%)
     
  • OURO

    1.869,30
    +1,70 (+0,09%)
     
  • BTC-USD

    45.378,11
    +173,03 (+0,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.262,39
    +64,47 (+5,38%)
     
  • S&P500

    4.163,29
    -10,56 (-0,25%)
     
  • DOW JONES

    34.327,79
    -54,34 (-0,16%)
     
  • FTSE

    7.064,96
    +32,11 (+0,46%)
     
  • HANG SENG

    28.593,81
    +399,72 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    28.406,84
    +582,01 (+2,09%)
     
  • NASDAQ

    13.402,25
    +98,75 (+0,74%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4277
    +0,0178 (+0,28%)
     

Importação de fertilizante pelo Brasil crescerá 7,5% em 2021, diz MacroSector

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - As importações de fertilizantes pelo Brasil deverão aumentar 7,5% em 2021, enquanto as vendas no país crescerão 4,5% na esteira de uma disparada da renda agrícola, apontou nesta quinta-feira a consultoria MacroSector.

O Brasil, que importa a maior parte de seu consumo de fertilizantes, fechará o ano de 2021 com compras no exterior de 35,3 milhões de toneladas, versus 32,85 milhões de toneladas estimadas para 2020, disse a consultoria em relatório.

Já as vendas internas crescerão para um recorde de 41,65 milhões de toneladas, ante estimados 39,86 milhões no ano passado.

A expectativa da consultoria ficou um pouco abaixo da projeção de outra empresa de análises, a StoneX, que apontou na semana passada aumento para 42,3 milhões de toneladas nas entregas no país, citando uma antecipação nos negócios e fortes importações.

A produção de fertilizantes no Brasil, por sua vez, terá queda para 6,1 milhões de toneladas, versus 6,4 milhões em 2020, previu MacroSector.

O crescimento no uso de fertilizantes no Brasil está associado ao bom desempenho do setor agrícola, cuja receita foi estimada para crescer a cerca de 719 bilhões de reais em 2021, aumento de mais de 200 bilhões ante 2020, com um crescimento impulsionado pela safra de soja, além de preços melhores, apontou a MacroSector.

No caso do milho, apesar de uma produção praticamente estável, a receita deve subir para 134,8 bilhões de reais, versus 89,6 bilhões no ano passado, estimou a consultoria.

(Por Roberto Samora)