Mercado fechará em 3 h 44 min
  • BOVESPA

    101.239,73
    +687,29 (+0,68%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.445,86
    -223,39 (-0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    40,81
    +0,78 (+1,95%)
     
  • OURO

    1.901,80
    -27,70 (-1,44%)
     
  • BTC-USD

    12.921,73
    +1.864,72 (+16,86%)
     
  • CMC Crypto 200

    260,87
    +4,77 (+1,86%)
     
  • S&P500

    3.439,87
    +4,31 (+0,13%)
     
  • DOW JONES

    28.253,71
    +42,89 (+0,15%)
     
  • FTSE

    5.777,52
    +1,02 (+0,02%)
     
  • HANG SENG

    24.786,13
    +31,71 (+0,13%)
     
  • NIKKEI

    23.474,27
    -165,19 (-0,70%)
     
  • NASDAQ

    11.582,75
    -108,50 (-0,93%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5948
    -0,0552 (-0,83%)
     

Implemento rodoviário caminha para zerar perdas no ano, diz associação

Carlos Prieto
·2 minutos de leitura

Depois de registrar queda de vendas de 20% entre abril e maio, o setor fechou os nove meses do ano com perda acumulada de apenas 4,31% na comparação anual Os fabricantes de implementos rodoviários já avaliam a possibilidade de terminar o ano no mesmo patamar de entregas de 2019, segundo números divulgados nesta segunda-feira (5) pela Anfir, entidade que reúne perto de 150 empresas. Depois de registrar queda de vendas de 20% no acumulado no período entre abril e maio, por conta dos efeitos da pandemia da covid-19 na economia, o setor fechou os nove meses do ano com perda acumulada de apenas 4,31% na comparação anual, com 85 mil equipamentos emplacados. “Se mantivermos esse ritmo teremos uma queda anual mais baixa ou até próxima de zero”, afirmou Norberto Fabris, presidente da Anfir em nota. Por segmento, o de implementos pesados, chamados reboque e semirreboques, acumula uma retração de apenas 1,8%, com 47 mil unidades emplacadas. O desempenho deste segmento é fortemente impactado pelo agronegócio e o transporte de cargas em geral. No segmento de leves, a realidade é outra. A queda acumulada ainda é de 7%, com 38 mil produtos entregues. Esse segmento foi o mais atingido pelas restrições de mobilidade impostas nos grandes centros urbanos na tentativa de controlar a contaminação do novo coronavírus e sua recuperação está mais lenta. Entre os produtos deste segmento, o melhor desempenho é o de betoneiras, ligado à construção civil. Entre as 23 famílias de produtos que compõem o setor, 11 já apresentam desempenho positivo no ano. A diferença entre a recuperação dos dois segmentos do setor fica clara quando se avalia os números de setembro sobre o mesmo mês do ano passado. Enquanto as entregas de pesados sobem 23,1% na comparação anual, com 6.429 unidades no mês passado, o licenciamento de leves cai 13,5%, com 4.467 equipamentos emplacados em setembro deste ano. No mês passado o setor emplacou 11.442 unidades, contra 10.385 em setembro de 2019. A alta foi de 10%.