Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.811,40
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    16.957,68
    +31,45 (+0,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Impasse na compra da Eldorado tem novo revés para os Batista

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A arbitragem envolvendo a compra do controle da Eldorado Celulose, do grupo J&F, pela Paper Excellence, terminou com a vitória do grupo indonésio, mas o negócio não se concretizou porque os irmãos Batista pediram a anulação na Justiça.

A disputa ocorrida entre 2019 e 2021 foi conduzida pela Câmara de Comércio Internacional (ICC) que, por unanimidade, reconheceu o direito da Paper assumir o controle da Eldorado –um negócio de R$ 15 bilhões.

A J&F não aceitou o resultado e decidiu pedir à Justiça a anulação da arbitragem cuja sentença saiu em fevereiro de 2021. Dentre os diversos motivos, a empresa alega prejuízos no processo por falhas na condução do processo.

A J&F, que controla as empresas dos irmãos Batista, afirma ter sido alvo de um ataque de hacker supostamente promovido pelos rivais na arbitragem – o que teria causado danos irreparáveis à negociação.

Neste domingo (6), a Justiça de São Paulo mandou arquivar um inquérito que apurou se executivos da Paper foram responsáveis por ataques de espionagem em e-mails da diretoria da J&F.

O caso já tinha sido objeto de outro inquérito similar –também arquivado. Nele, o então diretor da Paper Guilherme Cunha Costa foi um dos principais alvos.

Costa era o porta-voz e representante institucional do grupo indonésio no país e foi alvo da investigação por, supostamente, chefiar o esquema de ataques.

No início deste ano, ele foi contratado pela J&F para atuar como representante institucional da J&F. O grupo brasileiro, no entanto, já possuía um executivo para atuar na mesma área.

Procurada, a Paper não quis comentar. A J&F não respondeu até a publicação desta reportagem.