Mercado fechado
  • BOVESPA

    93.952,40
    -2.629,76 (-2,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    36.987,86
    +186,49 (+0,51%)
     
  • PETROLEO CRU

    35,72
    -0,45 (-1,24%)
     
  • OURO

    1.878,80
    +10,80 (+0,58%)
     
  • BTC-USD

    13.582,24
    +283,39 (+2,13%)
     
  • CMC Crypto 200

    265,42
    +1,78 (+0,68%)
     
  • S&P500

    3.269,96
    -40,15 (-1,21%)
     
  • DOW JONES

    26.501,60
    -157,51 (-0,59%)
     
  • FTSE

    5.577,27
    -4,48 (-0,08%)
     
  • HANG SENG

    24.107,42
    -479,18 (-1,95%)
     
  • NIKKEI

    22.977,13
    -354,81 (-1,52%)
     
  • NASDAQ

    11.089,00
    -253,75 (-2,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0584 (-0,87%)
     

Impacto da pandemia sobre bancos cai 50% em novo teste de estresse

Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil
·3 minutos de leitura

O impacto da pandemia sobre os bancos, num cenário severo de inadimplência de empresas e de trabalhadores vulneráveis, caiu 50% no novo teste de estresse divulgado hoje (15) pelo Banco Central (BC). Segundo o Relatório de Estabilidade Financeira, o BC teria de aportar R$ 35 bilhões na simulação que considera um choque severo da covid-19 sobre o sistema financeiro nacional, o que representa a metade do teste anterior, feito em maio.

Hoje, os aportes necessários em situação de severo estresse somariam 3,5% do total do patrimônio de referência do Sistema Financeiro Nacional (SFN). Segundo o BC, o novo teste é mais preciso porque considera dados observados ao longo da pandemia. Em maio, a simulação baseava-se em premissas teóricas sobre a evolução de casos e da atividade econômica.

No teste de estresse, o BC simula o quanto uma situação de severa inadimplência e de corrida aos bancos impacta o cumprimento dos limites regulatórios mínimos pelas instituições financeiras e quanto a autoridade monetária precisaria aportar ao sistema financeiro. Entre esses limites estão a manutenção de uma reserva em caixa para garantir que os bancos paguem todos os clientes que forem sacar dinheiro em momentos de crise.

Segundo o Banco Central, a melhoria dos fluxos de recebimento de vários setores da economia até agosto contribuiu para a redução do impacto da pandemia depois da queda acentuada registrada em abril e maio.

Robustez

Apesar das simulações de cenários severos, o BC considera que o Sistema Financeiro Nacional está bem capitalizado, provisionado (com reservas) e com liquidez elevada para enfrentar a pandemia do novo coronavírus. Na avaliação da autoridade monetária, diversas medidas tomadas nos últimos meses, como a injeção de R$ 1,2 trilhão na economia e a postergação de pagamentos de impostos e de dívidas, ajudaram a manter o fluxo de crédito para a economia real e garantiram o funcionamento do mercado.

“Os mercados financeiros funcionaram adequadamente, e o balanço do sistema bancário cresceu consideravelmente no primeiro semestre de 2020, com elevado volume de captações e suprimento de crédito para a economia real no ritmo mais acelerado dos últimos cinco anos”, destacou o relatório.

Riscos

O relatório, no entanto, admitiu que existem fontes de preocupação para o sistema financeiro. De acordo com o texto, a atual taxa Selic (juros básicos da economia) de 2% ao ano pode aumentar a volatilidade de preços de ativos econômicos, como títulos públicos e dólar. Outro risco, que será monitorado pelo BC, são impacto da redução do auxílio emergencial de R$ 600 para R$ 300 e o fim da carência no pagamento de vários tipos de dívidas adiadas no início da pandemia.

Para reduzir esses riscos, o sistema bancário aumentou o volume de provisões, reservas usadas para cobrir eventuais inadimplências. O índice de cobertura de ativos problemáticos atingiu 87,83% em junho, praticamente o mesmo nível observado em março (87,89%). Os níveis são os mais altos observados desde o segundo semestre de 2015, quando o índice ultrapassou 88% após a retirada do grau de investimento (selo de bom pagador) do Brasil por agências internacionais de classificação de risco.