Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.757,09
    -1.808,72 (-4,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Impacto da pandemia no trabalho foi quatro vezes pior do que a crise de 2008

·2 minuto de leitura
Impacto da pandemia no trabalho foi quatro vezes pior do que a crise de 2008

O impacto da pandemia de covid-19 no mercado de trabalho global foi quatro vezes maior do que o da crise econômica de 2008, informou o diretor da Organização Internacional do Trabalho (OIT) nesta segunda-feira (7).

Por ocasião da abertura, online, em Genebra, da reunião anual dos membros da agência especializada da ONU, seu diretor-geral, Guy Ryder, declarou que a covid-19 teve um efeito "devastador" sobre o emprego, e comparou a pandemia a um "cataclismo".

"Para alguns, a experiência de trabalho durante esta pandemia foi aborrecimento, tédio, estresse e frustração. Para outros, foi sobre medo, pobreza e sobrevivência", disse Guy Ryder durante a abertura da conferência.

A crise sanitária empurrou mais de 100 milhões de trabalhadores para a pobreza, observou a OIT em seu relatório anual sobre Emprego Mundial e Perspectivas Sociais, publicado antes da conferência.

O documento alerta que as horas de trabalho despencaram, que o acesso a empregos de qualidade evaporou e que o desemprego global pode afetar 205 milhões de pessoas em 2022, muito mais do que os 187 milhões em 2019.

E os níveis de emprego não retornarão aos valores anteriores à pandemia até 2023, no mínimo.

"Levando tudo isso em consideração, representa uma crise no mundo do trabalho quatro vezes mais severa do que a causada pela crise financeira de 2008 e 2009", disse Ryder.

O chefe da OIT afirmou ainda que o mundo do trabalho está tão mal preparado para a pandemia quanto os sistemas de saúde, acrescentando que a recuperação será desigual se a tendência atual continuasse.

"As grandes desigualdades na distribuição de vacinas e as grandes disparidades de recursos fiscais vão injetar uma dose dupla de mais desigualdade no mundo do trabalho, reforçada pelas desigualdades nas conexões digitais", alertou o responsável.

Além disso, pediu ações para evitar que a "covid longa" - isto é, sintomas muito diversos que afetam as pessoas infectadas com o coronavírus por meses - "se fixe no mundo do trabalho, tornando-o mais desigual, mais injusto , menos resiliente, "menos inclusivo e, em última análise, menos sustentável."

Única agência tripartite das Nações Unidas, a OIT reúne representantes de governos, empregadores e trabalhadores de 187 Estados-membros.

Fundada em 1919, a organização teve que suspender sua sessão anual no ano passado devido à pandemia.

Este ano, a conferência foi dividida em duas partes. De 7 a 19 de junho, mais de 4.300 delegados se reúnem online para discutir a recuperação da covid. A reunião continuará em novembro-dezembro para discutir, entre outras coisas, as desigualdades e a aprendizagem ao longo da vida.

rjm/nl/wai/jvb/mb/jc