Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.843,74
    -2.595,62 (-2,33%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.557,65
    -750,06 (-1,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,70
    -1,27 (-1,76%)
     
  • OURO

    1.765,90
    +14,50 (+0,83%)
     
  • BTC-USD

    43.747,25
    -3.801,62 (-8,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.087,52
    -46,86 (-4,13%)
     
  • S&P500

    4.357,73
    -75,26 (-1,70%)
     
  • DOW JONES

    33.970,47
    -614,41 (-1,78%)
     
  • FTSE

    6.903,91
    -59,73 (-0,86%)
     
  • HANG SENG

    24.099,14
    -821,62 (-3,30%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,75 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    14.987,50
    -338,50 (-2,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2529
    +0,0535 (+0,86%)
     

Imagens de satélite mostram um enorme iceberg quase colidindo com a Antártida

·3 minuto de leitura

No início deste mês, o satélite Copernicus Sentinel-1, da Agência Espacial Europeia (ESA), observou o iceberg A-74, com cerca de 1.270 km², quase colidir com uma plataforma de gelo da Antártida no início deste mês. O acidente poderia ter enfraquecido ainda mais a estrutura já desestabilizada pelo aquecimento global e gerado um iceberg ainda maior.

O A-74 se desprendeu da plataforma de gelo Brunt, da Antártida, em fevereiro deste ano, mas, por conta das correntes oceânicas da região, ela ficou “presa”. No entanto, um forte vento vindo do leste no início deste mês a empurrou em direção a uma colisão que poderia ter gerado outro iceberg ainda maior. O satélite da ESA monitorou o movimento do A-74 entre os dias 9 e 18 de agosto, que aparece passando "de raspão” na plataforma Brunt.

(Imagem: Reprodução/ESA)
(Imagem: Reprodução/ESA)

O pesquisador da ESA, Mark Drinkwater, explicou que o pedaço em forma de nariz da plataforma, que é ainda maior do que o A-74, está preso à plataforma Brunt. “Se o iceberg tivesse colidido mais violentamente com este pedaço, ele poderia ter acelerado a fratura da ponte de gelo restante, fazendo com que ela se soltasse”, acrescentou Drinkwater em comunidade oficial. Os glaciologistas continuam acompanhando a formação e extensão de fendas e abismos na plataforma de gelo.

A situação instável da plataforma tem causado problemas para os pesquisadores da região. Em 2017, a estação de pesquisa Halley VI precisou ser movida 32 km para o interior da Antártida. "Halley é composto por oito cápsulas interligadas construídas sobre esquis, o que permite que as cápsulas sejam facilmente movidas em caso de gelo instável ou de novos abismos se formando na plataforma de gelo", informou a ESA. Na Halley, mais de uma dúzia de monitores de GPS medem e transmitem informações sobre o gelo da região.

Imagens registradas em fevereiro deste ano, quando o grande pedaço de gelo A-74 se desprendeu da principal plataforma (Imagem: Reprodução/ESA)
Imagens registradas em fevereiro deste ano, quando o grande pedaço de gelo A-74 se desprendeu da principal plataforma (Imagem: Reprodução/ESA)

O A-74 não é o único iceberg a se desprender da Antártida este ano. Recentemente o satélite Copernicus Sentinel-1 registrou um grande bloco de gelo que veio a se tornar o maior iceberg do mundo, nomeado A-76, com cerca de 4.320 km quadrados. De modo geral, esta região está sob ameaça do aquecimento global, com temperaturas até 3 °C mais altas do que no início dos registros em 1950 — e não param de subir, o que pode induzir ainda mais o derretimento desse gelo.

Apesar disso, alguns cientistas acreditam que estes grandes blocos de gelo não têm relação direta com o aquecimento global, mas, sim, com o ciclo natural da região. A pesquisadora Laura Gerrish, da British Antartic Survey, disse que estes icebergs são apenas parte dos ciclos nas plataformas de gelo que não produziam nada em grande escala há décadas. "É importante monitorar a frequência de todos os partos de icebergs, mas tudo isso é esperado por enquanto", acrescentou.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos