Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.953,90
    +411,95 (+0,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.743,15
    +218,70 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    108,46
    +2,70 (+2,55%)
     
  • OURO

    1.812,90
    +5,60 (+0,31%)
     
  • BTC-USD

    19.284,46
    -128,31 (-0,66%)
     
  • CMC Crypto 200

    420,84
    +0,70 (+0,17%)
     
  • S&P500

    3.825,33
    +39,95 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.097,26
    +321,83 (+1,05%)
     
  • FTSE

    7.168,65
    -0,63 (-0,01%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    25.935,62
    -457,42 (-1,73%)
     
  • NASDAQ

    11.610,50
    +81,00 (+0,70%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5587
    +0,0531 (+0,96%)
     

IIF corta pela metade estimativa de crescimento de PIB global, fluxos a emergentes devem recuar 42%

Navios e contêineres no porto de Long Beach, na Califórnia, EUA

NOVA YORK (Reuters) - O Instituto de Finanças Internacionais (IIF, na sigla em inglês) reduziu sua perspectiva de crescimento global em 2022 pela metade, citando os efeitos econômicos da invasão da Ucrânia pela Rússia, a resposta da China à onda de Covid-19 e uma política monetária mais apertada nos Estados Unidos.

O IIF também espera redução de 42% nos fluxos de capital para mercados emergentes em relação ao ano passado.

Com base em suas novas estimativas, o grupo disse que o risco de recessão aumentou já que o crescimento real deve ficar estagnado.

"A fraqueza é generalizada e deixa pouco espaço para erro", escreveram economistas do IIF no relatório. "O risco de recessão global é elevado. Nesse contexto, esperamos que o fluxo de não residentes a mercados emergentes desacelere de forma significativa."

O IIF cortou sua estimativa para o crescimento do PIB global a 2,3%, de 4,6%, com o G3 --Estados Unidos, zona do euro e Japão-- avançando a uma taxa de 1,9% este ano.

A expectativa é de que a expansão da China desacelere a 3,5% de 5,1% na estimativa anterior.

"A onda de Ômicron na China é mais prejudicial do que esperávamos e terá impacto substancial no crescimento e nos fluxos de capital", disse o IIF.

O crescimento da zona do euro foi anteriormente reduzido de 3% a 1%, principalmente devido aos efeitos da invasão da Ucrânia. Enquanto isso, a América Latina deve crescer 2% com os preços altos das commodities.

Os fluxos de capital a mercados emergentes devem desacelerar com força, segundo o relatório, com os fluxos de não residentes caindo a 972 bilhões de dólares, de 1,680 trilhão no ano passado.

A estimativa de fluxo para o Brasil deve quase cair pela metade, a 55,3 bilhões de dólares.

(Reportagem de Rodrigo Campos)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos