Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,91 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,62 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    +2,79 (+2,68%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    21.252,94
    +216,49 (+1,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,32 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,19 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,72 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    +395,25 (+3,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

Iguatemi vê alta de 33% nas vendas em mesmas lojas em abril e maio ante 2019

SÃO PAULO (Reuters) - As vendas em mesmas lojas nos shopping centers operados pela Iguatemi em abril e maio mostraram alta de 33,2% em comparação a igual período de 2019, antes da pandemia, disse a companhia na terça-feira à noite, acrescentando que o desempenho operacional permite a retirada quase total de descontos a lojistas.

No primeiro trimestre, o avanço nas vendas em mesmas lojas havia sido de 14,6%.

Já as vendas totais subiram 31,9% em maio e 33,8% em abril frente a 2019, segundo dados operacionais preliminares divulgados pela Iguatemi. A companhia não detalhou o número consolidado dos dois meses para esse dado.

Em maio, quando publicou o balanço financeiro do primeiro trimestre, a Iguatemi afirmou que as vendas em abril até o dia 22 haviam sido 31% maiores em relação ao mesmo período de 2019. A alta em março foi de cerca de 23%.

A Iguatemi disse que "o crescimento contínuo das vendas traz a possibilidade de retirada dos descontos quase na sua integralidade, sem impacto aos nossos lojistas".

Os aluguéis em mesmas lojas aumentaram 55,2% em abril e 58,4% em maio em relação ao período pré-pandemia, contra alta de 54,6% em março. Ainda assim, o custo de ocupação em maio e abril foi de 11,3%, abaixo do percentual de 11,7% do segundo trimestre de 2019, e a inadimplência ficou em 0,5%, contra 0,6% nos três meses encerrados em junho daquele ano.

(Por Andre Romani)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos