Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.371,48
    -690,52 (-0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.092,31
    +224,69 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,87
    +0,44 (+0,72%)
     
  • OURO

    1.783,90
    +1,90 (+0,11%)
     
  • BTC-USD

    51.546,93
    -2.662,61 (-4,91%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.188,18
    -54,87 (-4,41%)
     
  • S&P500

    4.134,98
    -38,44 (-0,92%)
     
  • DOW JONES

    33.815,90
    -321,41 (-0,94%)
     
  • FTSE

    6.938,24
    +42,95 (+0,62%)
     
  • HANG SENG

    28.755,34
    +133,42 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.188,17
    0,00 (0,00%)
     
  • NASDAQ

    13.760,25
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5430
    +0,0014 (+0,02%)
     

Iguatemi tem lucro menor no 4º tri, mesmo com recuperação parcial dos shoppings

Aluisio Alves
·2 minuto de leitura

Por Aluisio Alves

SÃO PAULO (Reuters) - O Iguatemi teve uma recuperação parcial no quarto trimestre, com afrouxamento das medidas de isolamento social, mas seguiu com queda nos comparativos anuais devido aos efeitos continuados da pandemia da Covid-19 sobre o comércio físico.

A operadora de shopping centers anunciou nesta quinta-feira que teve lucro Líquido 82 milhões de reais de outubro a dezembro, queda de 26,7% na comparação com um ano antes.

No trimestre, as vendas totais atingiram 3,6 bilhões de reais, queda de 14,4% no comparativo anual. Pelo critério de mesmas lojas (SSS), as vendas foram 11,8% menores.

Com lojistas severamente fragilizados após meses com portas fechadas, a companhia seguiu dando descontos em aluguéis, embora em menor nível do que nos meses anteriores.

"Com a melhora nos números de vendas, fomos capazes de continuar retirando os descontos de forma gradativa, chegando a uma cobrança líquida de 97,6% versus 66,5% no terceiro trimestre", afirmou o Iguatemi no relatório de resultados.

A inadimplência líquida foi de 9,3%, um aumento de 10,1 pontos percentuais ano a ano. E a taxa de ocupação caiu 3 pontos percentuais, para 91%.

Enquanto isso, os aluguéis mesmas lojas (SSR) recuaram 3,3%, com 317 milhões de reais em receita bruta de aluguel.

Com isso, a receita líquida da operadora, de 184,4 milhões de reais, foi de 12,7% menor ano a ano. E o resultado operacional medido pelo lucro antes de impostos, juros, depreciação e amortização (Ebitda), atingiu 162,2 milhões de reais, queda de 19%. Analistas, em média, esperavam Ebitda de 121,8 milhões de reais, segundo dados da Refinitiv.

A empresa disse que seguiu implementando medidas de contenção de despesas, que caíram 20,8%, mas os custos subiram 19,8% em virtude do aumento dos custos com áreas vagas.