Mercado fechará em 1 h 53 min
  • BOVESPA

    95.474,60
    +105,84 (+0,11%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    36.938,38
    -455,33 (-1,22%)
     
  • PETROLEO CRU

    35,75
    -1,64 (-4,39%)
     
  • OURO

    1.869,10
    -10,10 (-0,54%)
     
  • BTC-USD

    13.526,18
    +370,82 (+2,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    266,05
    +23,37 (+9,63%)
     
  • S&P500

    3.297,42
    +26,39 (+0,81%)
     
  • DOW JONES

    26.550,65
    +30,70 (+0,12%)
     
  • FTSE

    5.581,75
    -1,05 (-0,02%)
     
  • HANG SENG

    24.586,60
    -122,20 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    23.331,94
    -86,57 (-0,37%)
     
  • NASDAQ

    11.318,75
    +186,00 (+1,67%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7277
    -0,0067 (-0,10%)
     

IGP-M registra alta de 1,97% na primeira prévia de outubro

·4 minutos de leitura

Conforme a FGV, no acumulado de 12 meses, indicador subiu 19,45% O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) registrou alta de 1,97% no primeiro decêndio de outubro, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV). Na primeira prévia de setembro, o índice havia subido 4,41%. Com o resultado divulgado hoje, a taxa em 12 meses passou de 18,01% para 19,45%. “Afora a contribuição do minério de ferro (20,08% para -7,25%), que foi decisiva para a desaceleração do IPA, outras commodities de peso também influenciaram o recuo dos preços ao produtor: milho (13,49% para 5,08%) e café (6,29% para -7,78%), apesar da volatilidade da taxa de câmbio. Os demais componentes do índice geral de preços, IPC e INCC seguem pressionados, o primeiro por alimentos (0,42% para 1,30%) e, o segundo, pelo avanço dos preços dos materiais e equipamentos para construção (2,17% para 3,22%)”, afirma André Braz, coordenador dos Índices de Preços da FGV, em comentário no relatório. Agência Brasil Com peso de 60%, o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) teve acréscimo de 2,45% no período. Na mesma leitura do mês de setembro, houve avanço de 6,14%. Na análise por estágios de processamento, os preços dos Bens Finais subiram 2,40% na parcial de outubro, após elevação de 2,70% em mesmo intervalo de setembro. A principal contribuição para este movimento partiu do subgrupo combustíveis para o consumo, cuja taxa passou de alta de 7,01% para queda de 1,02%. O índice correspondente aos Bens Intermediários foi de 3,57% de incremento no primeiro decêndio de setembro para 2,66% no primeiro decêndio de outubro. Este abrandamento foi influenciado pelo subgrupo combustíveis e lubrificantes para a produção (8,61% para -4,74%). A taxa do índice referente as Matérias-Primas Brutas saiu de aumento de 11,37% no primeiro decêndio de setembro para 2,31% no primeiro decêndio de outubro. Contribuíram para o recuo da taxa do grupo os seguintes itens minério de ferro (20,08% para -7,25%), milho em grão (13,49% para 5,08%) e café em grão (6,29% para -7,78%). Em sentido oposto, vale citar cana-de-açúcar (1,64% para 8,54%), bovinos (4,25% para 5,60%) e aves (2,70% para 4,63%). Com peso de 30%, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) variou de 0,35% no primeiro decêndio de setembro para 0,64% no primeiro decêndio de outubro. Três das oito classes de despesa componentes do índice registraram acréscimo em suas taxas de variação, com destaque para o grupo Educação, Leitura e Recreação (0,40% para 3,03%). Nessa classe de despesa, vale mencionar o comportamento do item passagem aérea, cuja taxa passou de 6,74% para 33,57%. Também foram computados acréscimos nas taxas de variação dos grupos Alimentação (0,42% para 1,30%) e Vestuário (-1,10% para 0,67%). Nestas classes de despesa, as maiores contribuições partiram dos itens arroz e feijão (1,74% para 8,00%) e roupas (-0,94% para 0,76%). Em contrapartida, os grupos Transportes (0,76% para 0,01%), Saúde e Cuidados Pessoais (0,29% para 0,12%), Habitação (0,37% para 0,27%) e Despesas Diversas (0,17% para 0,10%) registraram decréscimo em suas taxas de variação. Estas classes de despesa foram influenciadas pelos seguintes itens: gasolina (2,76% para -0,70%), plano e seguro de saúde (0,61% para 0,00%), tarifa de eletricidade residencial (0,34% para 0,09%) e cigarros (0,73% para 0,02%). Já o grupo Comunicação repetiu a taxa do primeiro decêndio de setembro, de 0,01% de elevação. Em sentido ascendente destaca-se o item tarifa de telefone residencial (0,00% para 0,40%) e em sentido descendente, mensalidade para TV por assinatura (0,09% para 0,04%). Com os 10% restantes, o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) subiu 1,26% no primeiro decêndio de outubro, taxa superior a apurada no mês anterior, quando o índice havia sido de 0,88%. Os três componentes do INCC registraram as seguintes taxas da variação na passagem do primeiro decêndio de setembro para o primeiro decêndio de outubro: Materiais e Equipamentos (2,17% para 3,22%), Serviços (0,14% para 0,41%) e Mão de Obra (0,12% para 0,00%). Foram comparados os preços coletados de 21 a 30 de setembro com os de 21 de agosto a 20 de setembro.