Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.672,76
    -3.755,42 (-3,28%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.402,73
    -283,30 (-0,54%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,01
    +0,57 (+0,69%)
     
  • OURO

    1.769,40
    +3,70 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    64.087,74
    +2.820,81 (+4,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.481,22
    +17,87 (+1,22%)
     
  • S&P500

    4.519,63
    +33,17 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    35.457,31
    +198,70 (+0,56%)
     
  • FTSE

    7.217,53
    +13,70 (+0,19%)
     
  • HANG SENG

    25.787,21
    +377,46 (+1,49%)
     
  • NIKKEI

    29.215,52
    +190,06 (+0,65%)
     
  • NASDAQ

    15.410,75
    +120,25 (+0,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4965
    +0,1050 (+1,64%)
     

Minério de ferro despenca e IGP-M cai em setembro, diz FGV

·2 minuto de leitura
Minerador segura amostra de minério de ferro

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) - O Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M) registrou queda de 0,64% em setembro, depois de avanço de 0,66% no mês anterior, com os preços do minério de ferro voltando a despencar.

O resultado divulgado nesta quarta-feira pela Fundação Getulio Vargas (FGV) levou o IGP-M a acumular em 12 meses alta de 24,86%, e a queda no mês foi mais intensa do que a de 0,42% esperada em pesquisa da Reuters.

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), que responde por 60% do índice geral e apura a variação dos preços no atacado, caiu 1,21% em setembro, contra alta de 0,66% no mês anterior.

Essa leitura foi reflexo da deflação de 5,74% das Matérias-Primas Brutas neste mês, ante recuo de 1,64% em agosto, com os preços do minério de ferro acelerando suas perdas a 21,74%, de 15,32% no mês anterior.

"Foi a principal contribuição para o resultado do índice" geral, disse André Braz, coordenador dos índices de preços, sobre o comportamento da commodity. "Sem o minério de ferro, o IGP-M teria registrado alta de 2,37% em agosto e de 1,21% em setembro."

No varejo, a pressão ganhou força, com o Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que tem peso de 30% no índice geral, acelerando a alta a 1,19% em setembro, de 0,75% em agosto.

A principal contribuição para esse resultado partiu do grupo Habitação, que acelerou a alta a 2,00% neste mês, ante 1,05%. Os preços da tarifa de eletricidade residencial avançaram 5,75% em setembro, contra taxa de 3,26% em agosto.

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC), por sua vez, teve alta de 0,56% no período, mesma taxa registrada em agosto.

O IGP-M é utilizado como referência para a correção de valores de contratos, como os de aluguel de imóveis.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos