Mercado abrirá em 5 h 30 min
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.220,83 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,61 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,64
    +1,14 (+1,85%)
     
  • OURO

    1.753,20
    +24,40 (+1,41%)
     
  • BTC-USD

    46.214,19
    +1.420,31 (+3,17%)
     
  • CMC Crypto 200

    922,88
    -10,26 (-1,10%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,63 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    29.427,66
    +447,45 (+1,54%)
     
  • NIKKEI

    29.663,50
    +697,49 (+2,41%)
     
  • NASDAQ

    13.105,75
    +194,75 (+1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7603
    +0,0020 (+0,03%)
     

IGP-M acumula alta de 25,71% em 12 meses

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O IGP-M (Índice Geral de Preços Mercado) registrou alta de 2,58% em janeiro, informou a FGV (Fundação Getulio Vargas) nesta quinta-feira (28). Em 12 meses, a variação acumulada é de 25,71%. O IGP-M é utilizado como referência para a correção de valores de contratos, como os de aluguel de imóveis. Também entram na conta o IPC (Índice de Preços ao Consumidor) e o INCC (Índice Nacional de Custo da Construção). Segundo a FGV, o resultado foi impulsionado pelo aumento nos preços das commodities e dos combustíveis, o que pressionou o IPA (Índice de Preços ao Produtor Amplo), que atingiu 3,38% no mês, ante 0,90% em dezembro. "A variação apresentada pelo minério de ferro (4,34% para 22,87%) foi a maior influência positiva do índice ao produtor, que registrou alta de 3,38%, a maior taxa de variação desde novembro de 2020, quando havia subido 4,26%", afirma André Braz, coordenador dos Índices de Preços. O IPC (Índice de Preços ao Consumidor) teve alta de 0,41% em janeiro, ante 1,21% em dezembro. De acordo com o levantamento, 4 das 8 classes de despesa do índice tiveram decréscimo. A principal contribuição partiu do grupo Habitação, que desacelerou de 2,11% para 0,04%. Na mesma classe de despesa, a FGV chama a atenção para tarifa de eletricidade residencial, que passou de 8,59% em dezembro para -1,06% em janeiro.