Mercado abrirá em 1 h 58 min
  • BOVESPA

    111.399,91
    +2.506,91 (+2,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.895,63
    +1.116,73 (+2,67%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,65
    +0,10 (+0,22%)
     
  • OURO

    1.829,10
    +10,20 (+0,56%)
     
  • BTC-USD

    19.070,07
    -101,67 (-0,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    374,02
    -5,84 (-1,54%)
     
  • S&P500

    3.662,45
    +40,82 (+1,13%)
     
  • DOW JONES

    29.823,92
    +185,32 (+0,63%)
     
  • FTSE

    6.400,68
    +15,95 (+0,25%)
     
  • HANG SENG

    26.532,58
    -35,10 (-0,13%)
     
  • NIKKEI

    26.800,98
    +13,44 (+0,05%)
     
  • NASDAQ

    12.442,00
    -10,25 (-0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2999
    -0,0071 (-0,11%)
     

Atacado pressiona e IGP-M acelera alta a 3,05% na 2ª prévia de novembro, diz FGV

Por Luana Maria Benedito
·2 minuto de leitura
.
.

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) - Os preços das commodities voltaram a pressionar a inflação ao produtor e o Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M) registrou alta de 3,05% na segunda prévia de novembro, sobre avanço de 2,92% no mesmo período do mês anterior, segundo dados divulgados nesta quarta-feira pela Fundação Getulio Vargas (FGV).

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), que responde por 60% do índice geral, subiu 3,98% no período, ante alta de 3,75% no segundo decêndio de outubro.

"O IPA, índice de maior peso no IGP, segue influenciado pelo comportamento das matérias-primas brutas (4,77% para 5,22%), onde estão as commodities, cujo aumento de preços vem influenciando mais a cadeia produtiva", explicou em nota André Braz, coordenador dos índices de preços.

Dentro do grupo Matérias-Primas Brutas, as commodities de principal destaque para o movimento de alta foram milho em grão, algodão em caroço e café em grão.

Já para os consumidores a pressão diminuiu, dado que o Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que tem peso de 30% no índice geral, desacelerou a alta a 0,51% na segunda prévia de novembro, de 0,71% no mês anterior.

O grupo Educação, Leitura e Recreação, que desacelerou a alta de 3,05% para 0,20% na segunda prévia de novembro, foi citado como o principal responsável pela leitura do IPC, refletindo o arrefecimento dos preços das passagens aéreas.

Por sua vez, o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) subiu 1,38%, de uma alta de 1,50% na segunda prévia de outubro.

O IGP-M é utilizado como referência para a correção de valores de contratos, como os de aluguel de imóveis.

A segunda prévia do IGP-M calculou as variações de preços no período entre os dias 21 do mês anterior e 10 do mês de referência.