Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.132,53
    +346,23 (+0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.200,59
    -535,89 (-1,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,86
    +0,95 (+2,12%)
     
  • OURO

    1.806,10
    +1,50 (+0,08%)
     
  • BTC-USD

    18.718,02
    -322,81 (-1,70%)
     
  • CMC Crypto 200

    367,77
    -2,75 (-0,74%)
     
  • S&P500

    3.629,65
    -5,76 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    29.872,47
    -173,77 (-0,58%)
     
  • FTSE

    6.391,09
    -41,08 (-0,64%)
     
  • HANG SENG

    26.669,75
    +81,55 (+0,31%)
     
  • NIKKEI

    26.296,86
    +131,27 (+0,50%)
     
  • NASDAQ

    12.168,75
    +92,75 (+0,77%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3380
    -0,0589 (-0,92%)
     

IGP-M acelera alta na 1ª prévia de novembro com pressão do atacado, diz FGV

Por Luana Maria Benedito
·1 minuto de leitura
Loja em São Paulo
Loja em São Paulo

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) - O Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M) passou a subir 2,67% na primeira prévia de novembro, contra 1,97% no mesmo período do mês anterior, com a inflação ao produtor voltando a pressionar de acordo com os dados divulgados nesta terça-feira pela Fundação Getulio Vargas.

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), que responde por 60% do IGP-M, acelerou a alta a 3,48% no período, depois de saltar 2,45% na primeira leitura de outubro.

"A taxa do IPA segue influenciada pelos aumentos dos preços das matérias-primas brutas (2,31% para 4,19%) e dos bens intermediários (2,66% para 3,88%)", disse André Braz, coordenador dos índices de preços, destacando o comportamento de produtos como milho, algodão, óleo diesel e farelo de soja.

Para o consumidor, a pressão foi aliviada, uma vez que o Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que tem peso de 30% no índice geral, registrou avanço de 0,41% na primeira prévia de novembro, depois de alta de 0,64% no mesmo período de outubro.

A principal colaboração para esse resultado partiu do grupo Educação, Leitura e Recreação, que reduziu a alta de 3,03% para 0,19% em novembro, refletindo forte arrefecimento nos preços das passagens aéreas.

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC), por sua vez, acelerou a alta a 1,31% no período, depois de subir 1,26% em outubro.

O IGP-M é utilizado como referência para a correção de valores de contratos, como os de aluguel de imóveis.