Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.829,73
    -891,85 (-0,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.335,51
    -713,54 (-1,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,25
    +0,11 (+0,14%)
     
  • OURO

    1.890,70
    +5,90 (+0,31%)
     
  • BTC-USD

    23.303,70
    +468,03 (+2,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    538,22
    +12,26 (+2,33%)
     
  • S&P500

    4.164,00
    +52,92 (+1,29%)
     
  • DOW JONES

    34.156,69
    +265,67 (+0,78%)
     
  • FTSE

    7.864,71
    +28,00 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    21.421,53
    +122,83 (+0,58%)
     
  • NIKKEI

    27.494,73
    -190,74 (-0,69%)
     
  • NASDAQ

    12.768,75
    -8,00 (-0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5755
    -0,0016 (-0,03%)
     

IGP-DI volta a subir em dezembro sob peso de alimentos e fecha 2022 com alta de 5%

Cafezal afetado por geadas em Varginha (MG)

SÃO PAULO (Reuters) - O Índice Geral de Preços-Disponibilidade Interna (IGP-DI) voltou a subir em dezembro sob o peso de alimentos e encerrou o ano com alta acumulada de cerca de 5%, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta sexta-feira.

O índice subiu 0,31% em dezembro, após queda de 0,18% no mês anterior, mas o resultado ficou abaixo da expectativa em pesquisa da Reuters de avanço de 0,5%.

Com isso, o IGP-DI encerrou 2022 com avanço acumulado de 5,03%, contra 17,74%% em 2021.

"A última edição do IGP-DI de 2022 mostra aceleração dos preços de alimentos importantes ao produtor e ao consumidor", destacou André Braz, coordenador dos índices de preços.

No mês, o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA-DI), que responde por 60% do indicador geral, subiu 0,32%, de recuo de 0,43% no mês anterior, fechando o ano com alta acumulada de 4,7%.

Braz destaca que, entre os alimentos no IPA, os maiores aumentos foram registrados em bovinos (de -1,65% para 2,57%), café (de -16,66% para 5,19%) e feijão (de 4,62% para 13,18%).

A pressão para o consumidor em dezembro diminuiu uma vez que o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) --que responde por 30% do IGP-DI-- desacelerou a alta a 0,35% no período, de 0,57% em novembro. No acumulado de 2022, o IPC subiu 4,28%.

Transportes (0,92% para -0,07%) e Alimentação (1,06% para 0,73%) registraram decréscimo das taxas, mas entre os alimentos pressionaram o índice geral feijão carioca (de -1,57% para 6,93%) e óleo de soja (-0,69% para 1,49%).

O Índice Nacional de Custo de Construção (INCC), por sua vez, registrou desaceleração da alta a 0,09% em dezembro, de 0,36% antes, encerrando 2022 com avanço acumulado de 9,28%.

(Por Camila Moreira)