Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.487,88
    +1.482,66 (+1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.518,30
    +228,39 (+0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,35
    +0,46 (+0,42%)
     
  • OURO

    1.845,10
    +3,90 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    29.395,53
    +220,05 (+0,75%)
     
  • CMC Crypto 200

    650,34
    -23,03 (-3,42%)
     
  • S&P500

    3.901,36
    +0,57 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.261,90
    +8,77 (+0,03%)
     
  • FTSE

    7.389,98
    +87,24 (+1,19%)
     
  • HANG SENG

    20.717,24
    +596,56 (+2,96%)
     
  • NIKKEI

    26.739,03
    +336,19 (+1,27%)
     
  • NASDAQ

    11.838,00
    -40,25 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1528
    -0,0660 (-1,26%)
     

iFood e Zé Delivery são notificados pelo Procon por pedidos com valores minimos

O iFood e o Zé Delivery, ambos aplicativos do ramo de delivery, foram notificados pelo Procon Carioca para que apresentarem informações sobre o processo de estipulação do valor de pedido mínimo para compras oferecidas na plataforma.

Ambas as plataformas têm um prazo de cinco dias corridos para apresentar as informações solicitadas. Segundo o Procon, o motivo para a notificação é que eles observaram que, ao tentar realizar compras nos apps do iFood e do Zé Delivery, ambas as plataforma só permite a finalização do pedido com um valor mínimo. Por consequência, clientes muitas vezes são forçados a comprar mais do que pretendiam para ter a comodidade de utilização do serviço.

Com isso, na notificação, o Procon Carioca pede que as plataformas informem o número de restaurantes cadastrados que exigem valor de pedido mínimo; como os consumidores são informados dessa exigência; porcentagem de estabelecimentos com esse requerimento em relação aos cadastros totais nos serviços; justificativa para existência da exigência, e a política adotada para definir o valor.

“Configura prática abusiva estipular um valor mínimo para que o cidadão solicite um pedido. O Procon Carioca está atento para coibir quaisquer condições que violem o Código de Defesa do Consumidor” afirma o diretor-executivo do Procon Carioca, Igor Costa.

O Canaltech entrou em contato com as assessorias de ambas as plataformas pedindo posicionamento sobre a questão. O iFood enviou o seguinte comunicado:

O iFood está à disposição para prestar os devidos esclarecimentos ao órgão. A empresa entende que não há disposição expressa ou proibição sobre a fixação de preço mínimo para a realização de pedidos por meio de plataformas de intermediação, como é o caso das plataformas de delivery, não sendo cabível o argumento de prática abusiva na plataforma.

Sobre a atuação na plataforma, o iFood oferece dois planos aos restaurantes parceiros:

- “Plano Básico”: Este plano funciona como um marketplace para restaurantes, ou seja, eles são responsáveis pela produção e entrega dos pedidos. Fica a critério do estabelecimento parceiro estabelecer valor mínimo ou não. Essa alteração é feita via Portal do Parceiro, canal de atendimento dos restaurantes.

- “Plano Entrega”: Os restaurantes e mercados são responsáveis pela produção dos pedidos. As entregas são realizadas por entregadores parceiros cadastrados no iFood. No caso de estabelecimentos parceiros que optam por esse plano, a empresa estabelece a adoção do pedido mínimo para que haja o equilíbrio econômico entre as partes envolvidas na operação: restaurante, consumidor, entregador e iFood, com o intuito de evitar o prejuízo das partes e levando em consideração uma série de fatores, tais como os preços de determinados produtos fixados pelos estabelecimentos parceiros, estrutura para a intermediação dos entregadores, localização do estabelecimento e entrega, desenvolvimento tecnológico. O restaurante é informado sobre a prática no contrato”

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos