Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.101,99
    +1.088,52 (+1,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.508,35
    -314,88 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,29
    -0,61 (-0,70%)
     
  • OURO

    1.838,90
    -3,70 (-0,20%)
     
  • BTC-USD

    40.890,46
    -923,71 (-2,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    966,03
    -29,24 (-2,94%)
     
  • S&P500

    4.482,73
    -50,03 (-1,10%)
     
  • DOW JONES

    34.715,39
    -313,26 (-0,89%)
     
  • FTSE

    7.585,01
    -4,65 (-0,06%)
     
  • HANG SENG

    24.952,35
    +824,50 (+3,42%)
     
  • NIKKEI

    27.232,24
    -540,69 (-1,95%)
     
  • NASDAQ

    14.722,25
    -118,75 (-0,80%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1301
    0,0000 (0,00%)
     

iFood e McDonald’s iniciam entregas com ajuda de drones no Brasil

·2 min de leitura

As entregas por drone já não são novidade — especialmente no exterior —, mas ver sua refeição chegar pelo céu pode ser uma realidade em breve no Brasil. Isso porque uma parceria do iFood com o McDonald’s e o Madero vai começar a mandar os lanches por veículos aéreos não tripulados em Aracaju (SE) já neste fim de ano. A empresa responsável por fornecer e operar os autômatos é a Speedbird Aero.

Apelidada de "last mile" (ou "última milha", na tradução livre, que vai de encontro com o conceito de uma aquisição do consumidor que só precisa de um último detalhe para finalizar a compra, no caso o transporte), a modalidade vai ter a presença de um profissional para a conclusão da entrega. Os pedidos serão levados do Shopping RioMar Aracaju até a cidade vizinha de Barra dos Coqueiros, do outro lado do Rio Sergipe. A rota será percorrida em 5 minutos e 20 segundos — contra os 25 a 55 minutos necessários para o serviço terrestre convencional.

Drones já são testados há algum tempo para entrega de refeições (Imagem: Divulgação/Uber Eats)
Drones já são testados há algum tempo para entrega de refeições (Imagem: Divulgação/Uber Eats)

Para Fernando Martins, head de logística e inovação no iFood, uma entrega realizada por drone leva muito mais que inovação. “Ela amplia as possibilidades de alcance do delivery”, aponta. “Nosso objetivo é aumentar a eficiência das entregas e levar a tecnologia para todo o país com soluções e alternativas para o delivery em modais não poluentes.”

O voo não tripulado vai de um ponto de decolagem no shopping até uma estação de pouso na cidade vizinha em uma rota predeterminada de 2,8 Km. O restante do percurso será feito por um entregador da forma tradicional: bicicleta, moto ou patinete.

Aeroporto para drones

A missão do drone é reduzir o tempo de viagem no primeiro trecho da entrega. Por isso, eles vão até um droneporto e são distribuídos a partir de lá. Os equipamentos têm 1m50 de altura e 1m20 de largura, são equipados com seis motores e dois GPS, funcionam com tecnologia 4G e podem voar com velocidade de 32 Km/h.

Nem todas as entregas serão feitas com eles: o objetivo é ajudar na demanda. Como percorrem longos trajetos em poucos minutos, seu uso permite expandir o raio de atendimento dos estabelecimentos.

Segundo o iFood, o projeto com esses parceiros em Aracaju foi iniciado "especificamente para testes, não para desenvolvimento do modal". Ou seja, não há previsão de chegada da opção a outras localidades, pelo menos por enquanto, neste final de ano.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos