Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.371,48
    -690,52 (-0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.092,31
    +224,69 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,67
    +0,24 (+0,39%)
     
  • OURO

    1.786,00
    +4,00 (+0,22%)
     
  • BTC-USD

    50.999,95
    -2.492,76 (-4,66%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.174,99
    -68,07 (-5,48%)
     
  • S&P500

    4.134,98
    -38,44 (-0,92%)
     
  • DOW JONES

    33.815,90
    -321,41 (-0,94%)
     
  • FTSE

    6.938,24
    +42,95 (+0,62%)
     
  • HANG SENG

    28.755,34
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    28.939,00
    -249,17 (-0,85%)
     
  • NASDAQ

    13.769,00
    +18,75 (+0,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5430
    +0,0014 (+0,02%)
     

iFood é impedido de firmar contratos de exclusividade com restaurantes

JOANA CUNHA
·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Superintendência-Geral do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) expediu uma medida preventiva contra o iFood nesta quarta (10), impedindo que o aplicativo de delivery de comida feche novos contratos exigindo acordo de exclusividade com restaurantes. A empresa também não vai poder alterar os contratos que já foram firmados sem a cláusula de exclusividade até que o caso tenha uma decisão final. A medida é consequência de uma investigação que começou em setembro de 2020, quando a Rappi Brasil acusou o iFood de usar a posição dominante que tem do mercado de pedidos online para celebrar contratos de exclusividade com restaurantes parceiros, restringindo a concorrência e gerando barreiras de entrada a novas empresas no setor. A Abrasel (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes) também denunciou o iFood em dezembro, alegando que com o aumento de pedidos online na pandemia, bares e restaurantes teriam se tornado dependentes dos serviços da plataforma. A Superintendência do Cade abriu procedimento para apurar as acusações, mas afirmou já ter constatado que o iFood tem a “vantagem do pioneiro” e que as cláusulas de exclusividade tem alto potencial de prejudicar outras plataformas de delivery. Procurado pela reportagem, o iFood diz que a preservação dos contratos permite que o iFood continue apoiando o crescimento dos seus parceiros exclusivos, especialmente em um momento tão desafiador. "O iFood tem convicção de que as suas políticas comerciais são legítimas e pró-competitivas, e beneficiam especialmente os próprios restaurantes".