Mercado abrirá em 3 h 40 min
  • BOVESPA

    110.580,79
    +234,97 (+0,21%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.304,04
    -72,85 (-0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,82
    +1,05 (+0,96%)
     
  • OURO

    1.855,70
    -9,70 (-0,52%)
     
  • BTC-USD

    29.737,56
    +437,68 (+1,49%)
     
  • CMC Crypto 200

    661,27
    +5,44 (+0,83%)
     
  • S&P500

    3.941,48
    -32,27 (-0,81%)
     
  • DOW JONES

    31.928,62
    +48,38 (+0,15%)
     
  • FTSE

    7.505,05
    +20,70 (+0,28%)
     
  • HANG SENG

    20.171,27
    +59,17 (+0,29%)
     
  • NIKKEI

    26.677,80
    -70,34 (-0,26%)
     
  • NASDAQ

    11.776,00
    +5,00 (+0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1548
    -0,0174 (-0,34%)
     

Identidade de gênero influencia na forma de lidar com dependência alcoólica

Pesquisadores da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo (EACH-USP) fizeram um estudo qualitativo em grupos de alcoólicos anônimos (AA) para verificar a influência da identidade de gênero na forma como o indivíduo lida com a dependência da substância.

Os resultados, publicados no periódico científico Drug and Alcohol Review, apontam que sim, há uma diferença na abordagem da condição a depender do gênero — Edemilson de Campos, professor da universidade, frequentou reuniões exclusivamente femininas de um grupo AA da cidade de São Paulo, com apoio da FAPESP e colaboração da professora Nádia Narchi, da mesma instituição, para chegar às suas conclusões.

Para estudar a forma como cada gênero lida com o vício em álcool, cientista frequentou reuniões AA só de mulheres (Imagem: Twenty20photos/Envato Elements)
Para estudar a forma como cada gênero lida com o vício em álcool, cientista frequentou reuniões no AA só de mulheres (Imagem: Twenty20photos/Envato Elements)

Gênero e alcoolismo

Em seu estudo, Campos constata que há muitas reuniões do AA estritamente femininas nos EUA, mas não no Brasil. Aqui, os grupos desencorajam essa atitude por considerar que o alcoolismo é um só, afetando homens e mulheres igualmente: segundo o pesquisador, no entanto, as mulheres entrevistadas pensam diferente, relatando ter se sentido intimidadas em reuniões mistas, sofrendo até mesmo assédio e piadas machistas nos encontros.

Dos 120 grupos de AA na cidade de São Paulo, apenas dois promovem reunião apenas de mulheres, um na zona norte e outro no bairro Santa Cecília. Sem estrutura hierárquica, os grupos são bastante autônomos e têm coordenação rotativa. Apenas um destes dois permitiu que o cientista frequentasse e entrevistasse as participantes, o da zona norte, especificamente.

O grupo consistia em 15 mulheres, que se reuniam todo sábado, mesclando participantes com dois meses de AA e veteranas com 30 anos de frequência. O padrão econômico, em geral, é baixo, relata Campos, e algumas delas são casadas com participantes do AA. A instituição considera o alcoolismo uma doença crônica e incurável, caracterizada por uma predisposição física que propicia uma obsessão mental pelo consumo de álcool.

A rede de apoio que o AA forma tem o objetivo de dar suporte para um convívio sóbrio com a condição, já que considera-se não haver força de vontade individual que a vença. Os pesquisadores, que já haviam analisado reuniões mistas, foi pesquisar etnograficamente os relatos dos grupos femininos, o que resultou em relatos individuais sobre relacionamento, trabalho, família e interesses gerais das participantes.

Embora os AA definam que a experiência com o álcool e igual para homens e mulheres, reuniões exclusivamente femininas são necessárias para dar o suporte e apoio necessário às mulheres, segundo o estudo (Imagem: YouraPechkin/Envato Elements)
Embora os AA definam que a experiência com o álcool e igual para homens e mulheres, reuniões exclusivamente femininas são necessárias para dar o suporte e apoio necessário às mulheres, segundo o estudo (Imagem: YouraPechkin/Envato Elements)

A condição foi caracterizada pelas mulheres como "dor da alma", que, segundo elas, é marcada por sentimentos fortes de rejeição e solidão decorrentes do estigma social. Nas reuniões mistas, os homens costumam focar os relatos no trabalho e aspectos impessoais da vida prática, enquanto as mulheres preferiam falar de sua intimidade. Reuniões exclusivamente femininas, dizem os cientistas, oferecem um espaço seguro de expressão, devolvendo a dignidade às frequentadoras.

Enquanto a opinião social de um homem alcoólatra que neglicencia as obrigações paternas é bastante condescendente, para as mulheres, ela é implacável. Campos comenta que o sentimento de que o álcool as impediu de cumprir o papel esperado pela sociedade pesava demais às mulheres entrevistadas.

A conclusão do estudo é de que, apesar de que os critérios para se definir um alcoólatra e classificação geral da condição serem iguais para todos os gêneros, a vivência do alcoolismo e o tratamento da condição têm forte influência pelo marcador social de gênero: indo na direção contrária das definições dos AA, os cientistas consideram que as mulheres precisam de um espaço seguro para expor a "or da alma" que sentem.

Segundo a Fiocruz, cerca de 2,3 milhões de brasileiros entre 12 a 65 apresentavam dependência alcoólica nos 12 meses anteriores à sua pesquisa, realizada em 2017. A incidência da condição é 3,4 vezes maior nos homens (2,4% de toda a população masculina) do que nas mulheres (0,7% da população feminina), muito embora especialistas acreditem que o último número é uma subestimativa, dado o estigma social que pode levar as dependentes a esconder sua condição.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos