Mercado abrirá em 50 mins
  • BOVESPA

    95.368,76
    -4.236,78 (-4,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    37.393,71
    -607,60 (-1,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    36,07
    -1,32 (-3,53%)
     
  • OURO

    1.879,10
    -0,10 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    13.104,80
    -58,59 (-0,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    259,10
    -13,59 (-4,98%)
     
  • S&P500

    3.271,03
    -119,65 (-3,53%)
     
  • DOW JONES

    26.519,95
    -943,24 (-3,43%)
     
  • FTSE

    5.595,96
    +13,16 (+0,24%)
     
  • HANG SENG

    24.586,60
    -122,20 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    23.331,94
    -86,57 (-0,37%)
     
  • NASDAQ

    11.235,25
    +102,50 (+0,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7183
    -0,0161 (-0,24%)
     

Ideia é apresentar solução dentro do teto para Renda Cidadã na quarta-feira, diz Bittar

Por Ueslei Marcelino e Marcela Ayres
·2 minutos de leitura

Por Ueslei Marcelino e Marcela Ayres

BRASÍLIA (Reuters) - O senador Marcio Bittar (MDB-AC) afirmou nesta segunda-feira que a ideia do governo é apresentar na quarta-feira pela manhã a solução para o financiamento ao Renda Cidadã, novo programa de transferência de renda que virá no lugar do Bolsa Família.

Ao sair de reunião com o ministro da Economia, Paulo Guedes, Bittar não deu detalhes a respeito, mas disse que a proposta respeitará o teto de gastos. O senador é relator do Projeto de Lei Orçamentária Anual de 2021 no Congresso e da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) do Pacto Federativo.

"Não vou entrar em nenhuma ideia de onde e como o Renda vai ser financiado, a não ser afirmar que é uma decisão de todo mundo liderada pela equipe econômica, pelo ministro Paulo Guedes. E a solução, qualquer que seja ou quaisquer que sejam elas, será dentro do teto", disse ele à imprensa.

Na semana passada, Bittar afirmou --acompanhado do presidente, de Guedes e outros ministros-- que a iniciativa seria bancada pela limitação ao pagamento de precatórios pela União e pelo direcionamento de recursos de parte do Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica).

As saídas foram duramente criticadas por agentes econômicos e mexeram com o mercado, suscitando questionamentos acerca da falta de sustentabilidade de uma solução envolvendo rolagem de dívida obrigatória, no caso dos precatórios, e de drible ao teto de gastos, no caso do Fundeb.

Perguntado sobre o tema nesta segunda-feira, Bittar insistiu que não falaria sobre as fontes de financiamento do Renda Cidadã. Guedes, que ficou ao lado do senador durante suas declarações, não falou com a imprensa.

Após idas e vindas acerca do programa que deverá suceder o auxílio emergencial, Bittar reconheceu que houve "turbulência" na condução do tema.

"É normal, são relações humanas e agora as coisas, a meu juízo, entraram no eixo de novo", disse.

O senador defendeu que Bolsonaro tem legitimidade para ir adiante com o programa, após a identificação de 8 milhões de brasileiros que não terão como se alimentar a partir de janeiro em decorrência dos efeitos da crise do coronavírus.

Bittar disse ainda que todas as demandas têm que passar por um filtro e por um carimbo de Guedes. O senador também reconheceu ter ido na semana passada pedir ajuda ao presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para tratar da criação do programa.

Politicamente, o novo programa é visto como crucial por Bolsonaro após o término do auxílio emergencial em dezembro, já que a expectativa é que milhões de brasileiros sigam desempregados na esteira da crise do coronavírus.

Mas seu financiamento segue como uma incógnita diante de balões de ensaio já lançados, colocando em xeque o real compromisso do presidente com o ajuste das contas públicas, bandeira tanto de Guedes quanto do programa eleitoral de Bolsonaro.