Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,83 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,39 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,98
    +1,48 (+1,79%)
     
  • OURO

    1.793,10
    +11,20 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    61.308,63
    +845,86 (+1,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,69 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,94 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,40 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,27 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.324,00
    -154,75 (-1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5808
    -0,0002 (-0,00%)
     

Ibovespa volta aos 114 mil pontos com 3a alta seguida; Embraer e Ultrapar disparam

·3 minuto de leitura
Manifestação do MTST na B3

Por Aluisio Alves

SÃO PAULO (Reuters) - O principal índice de ações brasileiras emendou a terceira alta seguida nesta quinta-feira, com investidores remontando apostas após cenários mais temidos em relação à política monetária de Estados Unidos e Brasil não terem se confirmado, ao passo que a China parece ter evitado um crise em seu setor imobiliário.

Apoiado por uma recuperação forte nos setores siderúrgico e bancário e por uma disparada dos papéis de Embraer e Ultrapar, o Ibovespa subiu 1,59%, aos 114.064,36 pontos.

"Se for buscar a região de 116.500 pontos, indica fim da tendência e pode tentar processo de reversão", tuitou Danillo Fratta, analista gráfico da Capitalizo. O giro financeiro da sessão totalizou 32,9 bilhões de reais.

Os ganhos vieram após o Federal Reserve, autoridade monetária dos EUA, ter mantido o juro e indicado para "breve" a gradual desmontagem de um programa de compra de títulos, e o Banco Central elevar o juro básico em 1 ponto percentual, a 6,25% ao ano, terem vindo em linha com as expectativas.

Além disso, agentes do mercado parecem ter comprado a mensagem do governo chinês para uma 'quebra controlada' da incorporadora Evergrande, o que permitiu nova recuperação dos preços de commodities, levando consigo ações de siderúrgicas.

Um dos destaques negativos do dia foi o setor imobiliário, com analistas prevendo que a escalada da Selic vai esfriar o financiamento para o setor. Só com recursos da poupança, o setor movimentou 21 bilhões de reais em agosto, alta de 79,2% ante mesmo mês de 2020, informou a Abecip.

O Credit Suisse promoveu um rodada de cortes nos preços-alvo de ações de oito companhias do setor.

O juro mais alto e a iminência do fim do auxílio-emergencial do governo também pesaram em ações ligadas a consumo.

O dia ainda foi marcado por uma manifestação do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) no espaço público da B3, na capital paulista, mas sem impacto nas operações de mercado.

DESTAQUES

- EMBRAER disparou 12,2%. A companhia recebeu encomenda de até 100 aeronaves elétricas pouso e decolagem verticais (eVtol) para serem usadas como táxis aéreos da Bristow, com entregas previstas para começar em 2026. Além disso, o Goldman Sachs elevou em 50% o preço-alvo do ADR da fabricante de aeronaves.

- ULTRAPAR deu um salto de 9,51%. O grupo anunciou na noite da véspera o início de processo de sucessão de seus principais executivos e mudança na presidência da rede de postos de combustíveis Ipiranga.

- USIMINAS teve ganho de 9,25%, com o setor de metais estendendo ganhos das últimas sessões, com menores receios de quebradeira no setor imobiliário na China, o que poderia pressionar para baixo os preços do aço nos mercados internacionais. GERDAU subiu 5,63%.

- ITAÚ UNIBANCO avançou 3,46%, ilustrando a forte recuperação do setor bancário. BRADESCO evoluiu 4,4%. SANTANDER BRASIL cresceu 3%.

- VALE foi alvo de realização de lucros durante a maior parte da sessão, apesar do aumento das cotações do minério de ferro na China, mas fechou o dia estável. A mineradora foi alvo de vários cortes na recomendação por bancos nos últimos dias.

- CYRELA recuou 4,3% e MRV perdeu 2,7%. Elas e outras do setor tiveram redução na recomendação das ações pelo Credit Suisse, um dia após o Banco Central ter elevado novamente o juro básico do país, a 6,25% ao ano, o que pode ajudar a esfriar o efervescente financiamento imobiliário no país, que teve alta de 79% em agosto, segundo a Abecip.

- MAGAZINE LUIZA retrocedeu 2,9%, enquanto AMERICANAS teve baixa de 2,6%. Além do aumento do juro, profissionais do mercado citaram o fim do programa de auxílio emergencial do governo como fatores que devem diminuir a demanda no varejo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos