Mercado fechará em 4 h 58 min

Ibovespa treme e dólar sobe com ameaça de 'cartão vermelho' a Guedes

Redação Finanças
·2 minutos de leitura
Foto: SERGIO LIMA/AFP via Getty Images
Foto: SERGIO LIMA/AFP via Getty Images

O anúncio do presidente Jair Bolsonaro de que o programa de renda básica proposto pela equipe econômica do governo estava cancelado ecoou no mercado financeiro. O Ibovespa, principal índice da bolsa de valores brasileira, oscilou com as notícias; o dólar frente ao real subiu.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

A preocupação do mercado foi com a reação de Bolsonaro à proposta, capitaneada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. O presidente não só cancelou o programa como cobrou publicamente o ministro e ameaçou a sua equipe com um "cartão vermelho".

Por volta das 13h50, a moeda americana operava em alta de 0,24%, a R$ 5,28 e chegou a encostar nos R$ 5,30. Após abrir com alta de 0,67%, na máxima, aos 100.949 pontos, o Ibovespa caiu para 99.647, consolidando baixa de 0,63% frente ao pregão da véspera. Às 13h30, o índice já subia novamente.

Leia também

O mercado arrefeceu depois que Guedes colocou panos quente na relação com Bolsonaro. "O cartão vermelho não foi para mim", declarou o ministro. "A reação do presidente foi política, correta."

Bolsonaro anunciou nas redes sociais a desistência do Renda Brasil, plano de renda básica que substituiria o Bolsa Família, após notícias de que a equipe econômica estudava revisar cerca de 2 milhões de benefícios destinados a idosos e deficientes para viabilizar o novo programa.

"Eu já disse há poucas semanas que jamais vou tirar dinheiro dos pobres para dar para os paupérrimos. Quem por ventura vier propor a mim uma medida como essa eu só posso dar um cartão vermelho para essa pessoa", disse o presidente em um vídeo nas redes. "Até 2022, no meu governo, está proibido falar a palavra Renda Brasil. Vamos continuar com o Bolsa Família. E ponto final."

Imediatamente após o anúncio de Bolsonaro, Guedes cancelou um compromisso público para fazer uma reunião de emergência com Bolsonaro na manhã desta terça (15). O encontro entre os dois e a conversa de "cartão vermelho" deixou o mercado apreensivo com o futuro das reformas econômicas no Brasil defendidas por Guedes, o que empurrou o dólar para cima e agitou a bolsa de valores.

O suposto "cartão vermelho" teria sido direcionado ao secretário especial da Fazenda, Waldery Rodrigues, que recentemente expôs a ideia de congelar o salário mínimo por dois anos para reduzir despesas e abrir espaço no orçamento para o Renda Brasil. Se confirmada, a saída de Waldery seria mais uma na recente debandada da equipe de Guedes.

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube