Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.754,09
    -45,32 (-0,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Ibovespa tem semana negativa com receios sobre PIB e riscos político-fiscais no Brasil

·4 minuto de leitura
Paineis eletrônicos com cotações de ações da Eletrobras.

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa fechou em alta nesta sexta-feira, no segundo dia seguido de trégua, mas teve performance negativa na semana, em meio a receios com um eventual começo da redução de estímulos monetários nos Estados Unidos e a retomada econômica mundial.

A ata da última reunião do banco central norte-americano mostrou na quarta-feira que membros do Federal Reserve esperam dar início à redução de estímulos ainda neste ano, começando a reduzir seu programa de compra de títulos, provocando ajustes relevantes em ativos de risco como ações.

Em paralelo, dados chineses mostraram no começo da semana que o crescimento da produção industrial e das vendas no varejo desacelerou com força em julho, corroborando preocupações com a retomada econômica global, em um momento no qual crescem os casos de Covid-19 no mundo com a disseminação da variante Delta.

No caso das commodities, particularmente o minério de ferro, que despencou 8% na semana, também pesaram perspectivas de menor consumo em meio a decisões da China de limitar a produção de aço neste ano, e aumento de oferta esperado por mineradoras locais, pelo Brasil e por países não convencionais no setor.

O cenário político brasileiro também pesou, com agentes financeiros cada vez mais aflitos com o risco de interesses eleitorais prevalecerem sobre a racionalidade econômica, com efeitos principalmente no desempenho fiscal.

A votação da reforma do Imposto de Renda foi adiada, não houve avanços em relação à PEC dos Precatórios e o presidente Jair Bolsonaro seguiu atacando ministros do STF, mantendo elevada a tensão entre os Poderes. E a popularidade do presidente continuou piorando.

Apesar de o mercado ter estado mais calmo nesta sexta-feira em relação aos últimos dias, a avaliação do economista da VLG Investimentos, Leonardo Milane, é de que permanece no ar a apreensão com "toda essa lambança política com impacto fiscal".

No cenário corporativo, terminada a temporada de balanços, analistas avaliaram positivamente de modo geral os números do segundo trimestre, com a maioria das companhias avaliadas trazendo resultados em linha ou acima das expectativas.

Nesta sessão, o Ibovespa subiu 0,76%, a 118.052,77 pontos, mas acumulou perda de 2,59% na semana. Em agosto, contabiliza perda de 3,08% No ano, a queda agora é de 0,81%.

Maiores baixas do Ibovespa no dia

Maiores altas do Ibovespa no dia

O índice Small Caps avançou 1,58%, a 2.834,50 pontos, mas com recuo de 1,17% na semana. No mês, perde 4,32%, mas em 2021 ainda tem acréscimo de 0,43%.

O giro financeiro na bolsa somou 30,6 bilhões de reais nesta sexta, dia de vencimento dos contratos de opções sobre ações.

DESTAQUES DO IBOVESPA DO ACUMULADO DO MÊS:

- CPFL ENERGIA sobe 10,78%, ainda embalada pelo salto de 143,6% no lucro do segundo trimestre, para 1,126 bilhão de reais, em meio à retomada no consumo de eletricidade no país. O índice do setor elétrico na B3 tem até agora a melhor performance entre os índices setoriais da bolsa em agosto.

- COPEL PNB avança 9,64%, tendo de pano de fundo anúncio de novo Programa de Demissão Incentivada com a venda da Copel Telecom, negócio que estimou que terá um positivo de cerca de 1,2 bilhão de reais no terceiro trimestre. A elétrica do Paraná também disse que o governo do Estado quitou o saldo da Conta de Resultados a Compensar, de 1,4 bilhão de reais. Ainda no radar está a privatização de sua unidade de gás Compagas.

- LOJAS AMERICANAS ON perde 21,16%, ainda sofrendo com ajustes no valor do papel após a combinação de parte de ativos com a B2W, que resultou na Americanas. Nos últimos pregões, a divulgação do balanço do segundo trimestre, bem como ruídos e anúncio de aquisição pela Americanas, previsão de sinergias com a fusão e programa de recompra de ações. AMERICANAS ON mostra declínio de 16,62%.

- QUALICORP ON recua 20,08%, ainda na esteira da queda do lucro do segundo trimestre, com piora em margens, enquanto o crescimento da receita líquida veio às custas de maiores despesas com itens como marketing. A companhia também anunciou recentemente a aquisição de 100% do capital do Grupo Elo por 129,5 milhões de reais.

Veja o comportamento dos principais índices setoriais na B3 no acumulado do mês:

- Índice financeiro: -4,04%

- Índice de consumo: -0,63%

- Índice de Energia Elétrica: +2,71%

- Índice de materiais básicos: -6,89%

- Índice do setor industrial: -1,11%

- Índice imobiliário: -8,25%

- Índice de utilidade pública: +2,43%

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos