Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    17.024,53
    +88,77 (+0,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Ibovespa tem dia volátil com petróleo; China e fiscal preocupam

Bolsa de Valores B3

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa voltava ao território positivo nesta segunda-feira, em sessão volátil, puxado pela melhora da Petrobras, que, por sua vez, acompanhava a redução da queda dos preços do petróleo, enquanto Copel permanecia como destaque de alta, disparando mais de 20% em meio a expectativas sobre a privatização da estatal.

Às 15:27, o Ibovespa subia 0,73 %, a 109.662,13 pontos. Mais cedo, na máxima, chegou a 110.235,29 pontos, em meio a ajustes após cair 3% na semana passada. No pior momento, seguindo a piora de Petrobras, caiu a 107.957,01 pontos. O volume financeiro somava 19,6 bilhões de reais.

As cotações do petróleo afundaram no final da manhã reagindo a uma notícia do Wall Street Journal de que a Arábia Saudita e outros membros da Opep estão discutindo aumento da produção. O Brent chegou a 82,31 dólares o barril no pior momento, mas desacelerou a queda e era negociado a 87,51 dólares.

O comportamento da commodity reverberou nas ações da Petrobras, que abriram em alta, com a PN chegando a 27,57 reais, para depois cair a 26,05 reais no pior momento e, então, voltar ao azul, com alta de 1,05%, a 26,98 reais.

Vale ON, porém, ainda atenuava o fôlego do Ibovespa, cedendo 1,39%, a 79,71 reais, em dia mais negativo para ações atreladas a commodities por causa de preocupações com o aumento da Covid na China.

O país asiático está lutando contra numerosos surtos de Covid-19, informando no domingo 26.824 novos casos locais, aproximando-se dos picos de abril. Os novos casos minam expectativas de uma flexibilização nas rígidas restrições de circulação social tomadas pelo governo chinês contra a pandemia.

Temores sobre a desaceleração da atividade econômica em razão dos surtos de Covid na China enfraqueciam também Wall Street, onde o S&P 500 recuava 0,3%, com investidores também na expectativa da ata da última decisão de política monetária, que será divulgada na quarta-feira.

No Brasil, as atenções continuam voltadas para as negociações sobre a PEC da Transição - que amplia o espaço para os gastos públicos em 2023 - e os riscos ficais ao país, assim como permanece a incógnita acerca do ministro da Fazenda do governo do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Estrategistas do Morgan Stanley cortaram para "neutra" a recomendação das ações brasileiras, citando crescentes riscos fiscais em 2023, enquanto veem os últimos eventos reduzindo as chances de uma nomeação ortodoxa para comandar o ministério da Fazenda.

Na última semana, declarações de Lula e a PEC da Transição, que visa excluir da regra do teto de gastos os desembolsos com o Bolsa Família e faz outras alterações orçamentárias, geraram apreensão no mercado sobre a evolução da dívida pública do país.

Em paralelo, cresceram as especulações de que o petista Fernando Haddad, ex-prefeito de São Paulo, é o principal nome cogitado por Lula para comandar a Fazenda no próximo governo.

De acordo com Dan Kawa, diretor de investimentos da TAG Investimentos, a situação do fluxo para o mercado de renda variável local ainda é desafiadora, a despeito da entrada de recursos estrangeiros, uma vez que o CDI alto continua afastando os investidores locais.

Entre os destaques positivos na bolsa, Copel PNB eclipsava os demais, disparando 22,07%, a 8,74 reais, em meio a planos do governo do Paraná de transformar a elétrica em uma corporation. No melhor momento, atingiu a máxima intradia histórica de 9,12 reais.

A notícia de Copel contagiava outras estatais como Cemig PN, em alta de 9,28%, e Sabesp ON, com elevação de 6,19%.

Também estava entre as maiores altas Magazine Luiza ON, que subia 6,98%, a 3,37 reais, após uma queda de quase 9% acumulada na semana passada, com agentes financeiros atentos ao movimento da Black Friday nos próximos dias.