Mercado fechará em 2 mins
  • BOVESPA

    106.959,86
    +917,38 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.313,75
    +408,69 (+0,98%)
     
  • PETROLEO CRU

    42,88
    +0,46 (+1,08%)
     
  • OURO

    1.836,50
    -35,90 (-1,92%)
     
  • BTC-USD

    18.331,74
    -123,01 (-0,67%)
     
  • CMC Crypto 200

    362,41
    +0,98 (+0,27%)
     
  • S&P500

    3.570,54
    +13,00 (+0,37%)
     
  • DOW JONES

    29.521,03
    +257,55 (+0,88%)
     
  • FTSE

    6.333,84
    -17,61 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    26.486,20
    +34,66 (+0,13%)
     
  • NIKKEI

    25.527,37
    -106,93 (-0,42%)
     
  • NASDAQ

    11.889,50
    -16,25 (-0,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4456
    +0,0657 (+1,03%)
     

Ibovespa supera 106 mil pontos pela 1ª vez desde março

Por Paula Arend Laier
·1 minuto de leitura

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O sinal positivo prevalecia na bolsa paulista na abertura desta segunda-feira, com o Ibovespa ultrapassando 106 mil pontos pela primeira vez desde março, na esteira do clima mais favorável no exterior por notícias de avanços em vacina contra o coronavírus.

Às 10:14, o Ibovespa subia 1,34%, a 106.126,39 pontos.

No Brasil, o mercado acionário também começa a semana com o resultado da Azul e os números da Qualicorp e Notre Dame Intermédica previstos para após o fechamento do pregão, que ainda será marcado por vencimento de opções sobre ações.

Em Wall Street, o mini contrato futuro do S&P 500 subia 1%, após a farmacêutica Moderna anunciar nesta segunda-feira que sua vacina experimental é 94,5% eficaz na prevenção da Covid-19, com base em dados preliminares de um estudo clínico em estágio avançado.

A Guide Investimentos ressaltou também declarações da nova equipe de consultores da Casa Branca de que um lockdown nacional não está em seus planos.

"No pano de fundo, dados de atividade continuaram mostrando uma retomada robusta na China, enquanto a situação delicada do quadro sanitário na Europa e nos EUA segue como principal ponto de preocupação para investidores", acrescentou a clientes.

Ainda no exterior, 15 economias da Ásia-Pacífico formaram o maior bloco de livre comércio do mundo no domingo, um acordo apoiado pela China e que exclui os Estados Unidos.