Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.619,87
    +90,90 (+0,19%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,98
    -0,69 (-1,10%)
     
  • OURO

    1.792,00
    +13,60 (+0,76%)
     
  • BTC-USD

    56.125,16
    +31,51 (+0,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.291,21
    +28,25 (+2,24%)
     
  • S&P500

    4.153,81
    +18,87 (+0,46%)
     
  • DOW JONES

    33.969,49
    +148,19 (+0,44%)
     
  • FTSE

    6.909,96
    +50,09 (+0,73%)
     
  • HANG SENG

    28.621,92
    -513,81 (-1,76%)
     
  • NIKKEI

    28.508,55
    -591,83 (-2,03%)
     
  • NASDAQ

    13.831,75
    +37,50 (+0,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7007
    -0,0018 (-0,03%)
     

Ibovespa sucumbe à piora externa e fecha em queda

Paula Arend Laier
·2 minuto de leitura
Bolsa de valores de São Paulo

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa fechou em queda nesta quinta-feira, com o petróleo acelerando as perdas no final da sessão para quase 7% e o norte-americano S&P 500 renovando mínimas do dia, o que reverteu abruptamente a tentativa de melhora na bolsa paulista.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa caiu 1,47%, a 114.835,43 pontos, chegando a 114.301,95 pontos no pior momento. No começo da tarde, flertou com o azul ao bater 116.750,66 pontos. O volume financeiro somou 32,3 bilhões de reais

Wall Street abriu com o S&P 500 já abatido pela alta dos rendimentos dos Treasuries após sinalização "dovish" do Federal Reserve na véspera, mas a piora do petróleo acentuou a perda. No fechamento, o S&P acusou queda de 1,48%.

O petróleo recuou pelo quinto dia consecutivo, registrando as maiores quedas diárias desde o último verão (no Hemisfério Norte), do aumento no número de casos de Covid-19 na Europa e da valorização do dólar.

O Brent fechou em queda de 6,94%, a 63,28 dólares o barril.

O cenário externo ofuscou a repercussão positiva no mercado para a decisão do Banco Central, que elevou a Selic na véspera pela primeira vez em quase seis anos, para 2,75% ante 2%, bem como sinalizou novo aperto nessa magnitude em maio.

No Twitter, o gestor Alfredo Menezes, sócio na Armor Capital, ponderou que pela lógica de "valuation" um aumento de juros exerceria uma pressão de baixa na bolsa, mas ressaltou que a decisão reduz o risco de inflação, que tem efeito nocivo.

"Estávamos em um processo de desorganização de preços e o BC precisava ancorar as expectativas de inflação", afirmou Menezes, ex-tesoureiro do Bradesco.

Na véspera, embalado pelo tom "dovish" do Federal Reserve e no aguardo da decisão do Copom, o Ibovespa fechou em alta de mais de 2%, no maior patamar em quase um mês.

DESTAQUES

- PETROBRAS PN caiu 3,49% e PETROBRAS ON recuou 2,83%, contaminadas pelo forte declínio dos preços do petróleo no mercado externo. No setor, PETRORIO ON desabou 8,60%.

- VALE ON perdeu 1,78%, também pressionando negativamente no Ibovespa, com todo o setor de mineração e siderurgia no vermelho.

- ITAÚ UNIBANCO PN subiu 0,6% e BRADESCO PN avançou 1,85%, com o setor financeiro evitando um fechamento ainda pior do Ibovespa, dada a relevante fatia que detém no índice. B3 ON encerrou em alta de 1,47%.

- GOL PN recuou 7,53%, após revisar para baixo perspectivas para o começo de 2021, com a previsão de receita do primeiro trimestre caindo de 2,4 bilhões para 1,7 bilhão de reais. AZUL PN cedeu 2,02%.

- MAGAZINE LUIZA ON fechou em baixa de 6,93%, com outros papéis associados a comércio eletrônico também entre as maiores quedas, sofrendo com o forte ajuste negativo no setor de tecnologia nos EUA, onde MERCADO LIVRE caiu 6,6%.