Mercado fechará em 6 horas 1 minuto

Ibovespa sobe em dia de Copom e ambiente mais positivo para tomada de risco

Ana Carolina Neira

Investidores estão atentos à decisão sobre o juro básico brasileiro e aos desenvolvimentos no exterior O clima mais positivo no exterior e a expectativa dos investidores pela decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central no fim da tarde abrem espaço para o apetite ao risco nos mercados, favorecendo o Ibovespa nesta sessão.

Na bolsa, os investidores atuam mais em compasso de espera, aproveitando o excesso de liquidez no mercado e os preços ainda baixos na bolsa para traçar suas estratégias. Além disso, ainda há espaço para recuperação após as perdas registradas desde a semana passada.

Por volta das 14h50, o Ibovespa subia 3,13%, aos 96.460 pontos em um pregão de altas disseminadas. O giro financeiro também está acima da média para o horário, somando R$ 15,8 bilhões, sustentado pelo vencimento de opções sobre o índice, que garante volatilidade adicional ao dia.

O grande destaque positivo do dia é a Eletrobras (10,7% a ON e 6,3% a PNB), que lidera os ganhos do índice desde a abertura dos negócios. A procura pelos papéis acontece após a notícia de que o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou durante reunião do Conselho do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), na semana passada, que deseja privatizar a companhia ainda este ano. A ideia é aumentar os investimentos no setor privado para auxiliar na retomada da economia, mas a desestatização da Eletrobras ainda depende de aval do Congresso.

Ações que tendem a se beneficiar da possibilidade de um corte adicional na Selic também sobem, como B2W ON (6%), Cyrela ON (6,9%) e Lojas Renner ON (5,4%).

O consenso do mercado é de que a taxa básica de juros passará dos atuais 3% ao ano para 2,25% por ano. A principal dúvida agora é se a autoridade deixará sinais de cortes adicionais no futuro ou se este será o fim do ciclo de afrouxamento monetário. De qualquer maneira, este é o fato que promete guiar os ativos locais. No caso da bolsa, uma redução adicional da Selic é bem avaliada por gestores, já que isso garante um fluxo adicional de recursos para a renda variável e impulsiona também as ações do setor de consumo.

Andre Penner / Associated Press