Mercado fechará em 1 h 36 min
  • BOVESPA

    129.697,57
    +256,54 (+0,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.283,61
    -2,85 (-0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,97
    +0,06 (+0,08%)
     
  • OURO

    1.865,50
    -14,10 (-0,75%)
     
  • BTC-USD

    40.122,57
    +2.636,25 (+7,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.001,82
    +32,98 (+3,40%)
     
  • S&P500

    4.235,99
    -11,45 (-0,27%)
     
  • DOW JONES

    34.231,47
    -248,13 (-0,72%)
     
  • FTSE

    7.146,68
    +12,62 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.161,80
    +213,07 (+0,74%)
     
  • NASDAQ

    14.065,50
    +71,25 (+0,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1538
    -0,0388 (-0,63%)
     

Ibovespa sobe e se aproxima da máxima histórica; Azul lidera altas

·2 minuto de leitura
Sede B3

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa avançava nesta terça-feira, aproximando-se ainda mais de suas máximas históricas, favorecido pelo clima favorável em Wall Street, com Azul liderando as altas após afirmar que estuda oportunidades de consolidação.

Às 10:48, o Ibovespa subia 0,3%, a 124.397,73 pontos. O volume financeiro era de 4 bilhões de reais.

Na véspera, o Ibovespa fechou em alta 1,17%, a 124.031,62 pontos, aproximando da máxima histórica de fechamento de 125.076,63 pontos de 8 de janeiro. O recorde intradia é de 125.323,53 pontos.

De acordo com análise gráfica da equipe da Safra Corretora, o Ibovespa está em tendência de alta no curto prazo e acabou rompendo sua resistência em 123.500 pontos

"Acima desta, poderá chegar até sua próxima resistência em 125.300 pontos. Do lado da baixa, o índice formou um fundo em 121.800 pontos. Se perder este, poderá descer até seu próximo suporte em 121.600 pontos."

DESTAQUES

- AZUL PN tinha elevação de 4,54%. A empresa contratou consultores para estudar oportunidades de consolidação na indústria e anunciou encerramento de acordo de codeshare com a Latam Airlines Brasil. A rival GOL PN valorizava-se 3,6%.

- WEG ON avançava 2,85%, buscando recuperação pelo segundo pregão seguido, após acumular até a última sexta-feira declínio de 9,4% em maio. Das máximas de janeiro, ainda contabiliza perda de cerca de 30%.

- PETROBRAS PN valorizava-se 0,38%, apesar da fraqueza dos preços do petróleo no exterior, embora o Brent tenha se afastado das mínimas.

- EMBRAER ON avançava 3,34%, recuperando patamares de fevereiro de 2020, antes da pandemia e do colapso do acordo com a Boeing. No ano, as ações acumulam alta de 99%, em parte por expectativas de migração no mercado de aviação global para aeronaves menores, bem como eventual parceria já sinalizada pela companhia e reabertura das economias.

- VALE ON cedia 0,56% com nova fraqueza dos futuros do minério de ferro na China.

- BB SEGURIDADE ON perdia 0,81%, dando continuidade ao ajuste negativo da véspera, após acumular elevação de quase 6% desde o começo do mês.

- ENERGISA UNIT recuava 0,68%, em sessão negativa para outros papéis de companhias de energia elétrica. O índice do setor na B3 caía 0,1%. ELETROBRAS PNB perdia 0,73%, após renovar na última semana máximas históricas na esteira de expectativas relacionadas à sua privatização.

- ITAÚ UNIBANCO PN caía 0,61% e BRADESCO PN mostrava declínio de 0,39%, atenuando o fôlego do Ibovespa.