Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,91 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,62 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    +2,79 (+2,68%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    21.052,87
    -89,30 (-0,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,32 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,19 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,72 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    +395,25 (+3,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

Ibovespa sobe com ajuda de Petrobras e bancos, apesar de exterior negativo

SÃO PAULO (Reuters) - O principal índice da bolsa brasileira avançava nesta terça-feira, embalado por ações de Petrobras e do setor financeiro, embora Wall Street apontasse queda na volta de feriado.

A petrolífera estatal subia em dia de alta para o petróleo e após perdas recentes. Além disso, o governo formalizou um pedido de inclusão da Petrobras na carteira do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI). Vale caía na ponta oposta.

Às 12:18 (de Brasília), o Ibovespa subia 0,39%, a 111.463,71 pontos. O índice caminhava para fechar o mês com alta de 3,6%. O volume financeiro era de 7,5 bilhões de reais.

"O Ibovespa se descola dos pares internacionais, que estão focados no avanço da inflação. Isso porque o Ibovespa tem um grande peso de empresas como Petrobras e Eletrobras, que têm apresentado recuperação após recuar nos últimos dias", afirmou Simone Pasianotto, economista-chefe da Reag Investimentos.

Em Wall Street, os principais índices de ações caíam entre 0,4% e 0,6%, diante de alta do petróleo, que gera temores com inflação, e após comentários de membro do Federal Reserve (Fed). Investidores aguardam por conversa entre o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e o presidente do Fed, Jerome Powell, à tarde. Na zona do euro, a maioria dos índices recuava após dado de inflação acima do esperado.

A taxa de desemprego no Brasil atingiu o nível mais baixo desde o começo de 2016 no trimestre até abril, a 10,5%, disse o IBGE mais cedo, superando expectativas de analistas, reafirmando humor mais positivo para a bolsa brasileira.

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, participa de audiência pública na comissão de Direitos de Defesa do Consumidor da Câmara dos Deputados, às 14h.

DESTAQUES

- PETROBRAS PN subia 0,5%, após duas sessões de queda forte. O petróleo subia após líderes da União Europeia acertarem corte de 90% das importações de petróleo russo para o bloco até o fim do ano. Por aqui, o governo pediu a inclusão da Petrobras em estudos para privatização. 3R PETROLEUM ON expandia 3,2% e PETRORIO tinha acréscimo de 1,5%.

- BANCO DO BRASIL ON expandia 2,7%, após cinco recuos seguidos. ITAÚ UNIBANCO PN crescia 1,5%.

- VALE ON caía 1,6%, mesmo após os contratos futuros de minério de ferro em Dalian subirem com relaxamento de restrições contra Covid-19 na China. Ações de siderúrgicas operavam em direções distintas.

- MARFRIG crescia 4,9%. O frigorífico afirmou que seus controladores passaram a deter 50,04% de participação na companhia.

- IRB ON disparava 7,1%, após duas quedas.

- CPFL ENERGIA ON diminuía 1,4%, a quarta queda nas últimas cinco sessões, e VIBRA ON reduzia 2%.

- EMBRAER ON valorizava-se 2,6%. Um executivo da fabricante de aeronaves disse nesta manhã que a empresa ainda trabalha com entrega de 22 aeronaves KC-390 para a Força Aérea Brasileira (FAB), após a FAB mostrar intenção de cortar a encomenda para 15 unidades.

- ELETROBRAS PNB evoluía 0,7% e a ação ON subia 1,6%.

(Por Andre Romani)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos