Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.829,73
    -891,85 (-0,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.335,51
    -713,54 (-1,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,51
    +0,37 (+0,48%)
     
  • OURO

    1.884,30
    -0,50 (-0,03%)
     
  • BTC-USD

    23.271,77
    +507,32 (+2,23%)
     
  • CMC Crypto 200

    534,56
    +8,61 (+1,64%)
     
  • S&P500

    4.164,00
    +52,92 (+1,29%)
     
  • DOW JONES

    34.156,69
    +265,67 (+0,78%)
     
  • FTSE

    7.864,71
    +28,00 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    21.298,70
    +76,54 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    27.685,47
    -8,18 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    12.757,75
    -19,00 (-0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5766
    +0,0573 (+1,04%)
     

Ibovespa sobe com ajuda externa e impacto contido de ataques em Brasília

B3

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa firmava-se em alta na tarde desta segunda-feira, encostando nos 110 mil pontos, endossado pelo cenário externo benigno, com os ataques do domingo às sedes dos Três Poderes em Brasília por bolsonaristas que pedem um golpe contra Luiz Inácio Lula da Silva pouco alterando o humor no mercado financeiro.

Às 15:34, o Ibovespa subia 0,84%, a 109.875,98 pontos. Na máxima, chegou a 109.937,57 pontos, revertendo a fraqueza do começo do dia, quando chegou a cair a 108.134,33 pontos. O volume financeiro somava 12,8 bilhões de reais.

Apesar da invasão e depredação de prédios do Palácio do Planalto, do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Congresso Nacional por apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro, prevalecia percepção de que os eventos não devem desencadear uma crise política ou se intensificar.

Estrategistas e gestores citaram principalmente a rápida reação de principais lideranças políticas e da opinião pública contra os violentos protestos entre as razões para essa visão. Mas a ausência de desdobramentos, com eventuais outras manifestações, pelo menos por ora, também favorecia o viés comprador na bolsa.

Wall Street também tinha um desempenho robusto, ajudando o pregão paulista. O S&P 500 subia 0,88%, diante de sinais de arrefecimento do mercado de trabalho da semana passada, que sustentavam apostas de um ritmo mais lento de alta dos juros pelo Federal Reserve.

(Por Paula Arend Laier)