Mercado fechado
  • BOVESPA

    96.582,16
    +1.213,40 (+1,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    36.801,37
    -592,34 (-1,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    36,11
    -1,28 (-3,42%)
     
  • OURO

    1.867,90
    -0,10 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    13.483,75
    -59,17 (-0,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    264,80
    +22,12 (+9,12%)
     
  • S&P500

    3.310,11
    +39,08 (+1,19%)
     
  • DOW JONES

    26.659,11
    +139,16 (+0,52%)
     
  • FTSE

    5.581,75
    -1,05 (-0,02%)
     
  • HANG SENG

    24.586,60
    -122,20 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    23.331,94
    -86,57 (-0,37%)
     
  • NASDAQ

    11.244,75
    +112,00 (+1,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7456
    +0,0112 (+0,17%)
     

Ibovespa segue NY e fecha abaixo de 96 mil pontos pela 1ª vez em quase 3 meses

Por Paula Arend Laier
·2 minutos de leitura
.
.

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa fechou em queda nesta quarta-feira, perdendo o patamar dos 96 mil pontos, enfraquecido pelas perdas nos pregões norte-americanos, após dados corroborando perspectivas de uma recuperação difícil da maior economia do mundo.

Na contramão, Localiza disparou 14%, renovando máxima histórica, após anunciar fusão com a Unidas, cujos papéis saltaram mais de 17%.

Índice de referência da bolsa brasileiro, o Ibovespa caiu 1,6%, a 95.734,82 pontos, piso de fechamento desde 30 de junho. O volume financeiro somou 25,1 bilhões de reais.

Em Wall Street, o S&P 500 recuou 2,37%, após dados mostrando que a atividade empresarial nos EUA desacelerou em setembro, afetada principalmente por serviços, enquanto continua o impasse no Congresso norte-americano para mais estímulos.

O Goldman Sachs chamou a atenção para a incapacidade do Congresso de chegar a um acordo sobre novas medidas fiscais de estímulo e acrescentou que, na ausência delas, um novo ânimo na economia dos EUA dependerá de uma vacina contra o Covid-19.

Para a analista de ações Cristiane Fensterseifer, da casa de análise Spiti, a bolsa também refletiu temores com a aceleração de casos de coronavírus na Europa e as eleições nos EUA.

No Brasil, ela citou o déficit fiscal elevado, os problemas para andamento nas reformas, além de prévia da inflação mostrando alta acima do esperado em setembro.

DESTAQUES

- LOCALIZA ON disparou 13,97%, a 58,97 reais, recorde de fechamento, após anunciar acordo para incorporação da Unidas pela empresa, criando uma gigante no segmento de locação de veículos. Na máxima, chegou a 60,29 reais, recorde intradia. UNIDAS ON, for a do Ibovespa, subiu 17,27%, a 24,85 reais, após renovar máxima intradia de 25,95 reais.

- ITAÚ UNIBANCO PN e BRADESCO PN recuaram 2,68% e 2,36%, respectivamente, com ações de bancos no vermelho, em meio à aversão a risco generalizada na bolsa.

- IRB BRASIL RE avançou 9,57%, após divulgar prejuízo líquido de 62,4 milhões de reais em julho, após perda de 292,6 milhões de reais um mês antes. Excluindo-se o impacto dos negócios descontinuados, o mês de julho registraria lucro líquido 36 milhões de reais.

- PETROBRAS PN caiu 2,74% e PETROBRAS ON cedeu 2,44%, mesmo com alta do petróleo no exterior. Além disso, nova fase da operação Lava Jato para aprofundar investigações sobre "possíveis atos de corrupção e lavagem de dinheiro" em contratos entre a empresa e fornecedores, disse o Ministério Público Federal.

- VALE ON subiu 2,23%, enquanto o setor de mineração e siderurgia sucumbiu à piora nos mercados, com destaque para CSN em baixa de 3,99% e USIMINAS PNA caindo 2,32%, enquanto GERDAU PN fechou com decréscimo de 0,34%.