Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,91 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,62 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    +2,79 (+2,68%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    21.383,94
    +227,48 (+1,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,32 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,19 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,72 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    +395,25 (+3,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

Ibovespa recua sem trégua em temor sobre recessão global e risco fiscal no Brasil

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
B3
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa mostrava fraqueza nesta quinta-feira, sem fôlego para sustentar os 100 mil pontos, à medida que receios com o risco de uma recessão global e preocupações fiscais no Brasil permanecem minando o sentimento de investidores.

Às 11:43, o Ibovespa caía 0,12 %, a 99.405,41 pontos. Mais cedo, na máxima, chegou a subir a 100.231,96 pontos. O volume financeiro no pregão somava 6,3 bilhões de reais.

Na visão da equipe de economia do Bradesco, preocupações com a atividade econômica global continuam pesando sobre os mercados. "A cautela predomina em meio aos riscos de recessão à frente nos Estados Unidos e no mundo", afirmou em relatório.

Os principais índices em Wall Street, porém, tinham uma sessão positiva, com o S&P 500 avançando 0,8%, mesmo após dados mostrarem que a atividade empresarial nos EUA teve forte desaceleração em junho.

No Brasil, temores de piora fiscal com eventuais medidas para compensar a alta dos preços de combustíveis também mantêm agentes financeiros cautelosos e adicionam volatilidade ao mercado.

"Há o impasse do impacto fiscal que pode vir da crise com os reajustes da Petrobras e o governo tentando contornar a ameaça de greve dos caminhoneiros", disse o diretor de investimentos da Reach Capital, Ricardo Campos.

No Brasil, em um contexto também de preços altos e elevação de juros, as atenções ainda estão voltadas para o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, que fala sobre a condução da política monetária no país. [nS0N2WW03K]

DESTAQUES

- VALE ON devolveu os ganhos e perdia 1,3%, mesmo após os contratos futuros de minério de ferro encerrarem as negociações desta quinta-feira na bolsa de Dalian com recuperação, após uma promessa do presidente chinês Xi Jinping de tomar medidas mais eficazes para alcançar as metas de desenvolvimento econômico e social do país.

- PETROBRAS PN rondava a estabilidade, em sessão de fraqueza nos preços do petróleo no exterior. O papel seguia volátil, uma vez que agentes financeiros continuam atentos às discussões de medidas para compensar a alta dos preços dos combustíveis. No setor, PETRORIO ON cedia 0,8%, enquanto 3R PETROLEUM ON valorizava-se 0,6%.

- BRF ON tinha elevação de 6,3%, em mais uma sessão majoritariamente positiva para empresas de proteínas. JBS ON subia 2,1%, MARFRIG ON ganhava 4,1% e MINERVA ON avançava 1,4%.

- ITAÚ UNIBANCO PN recuava 2,1%, pesando negativamente no Ibovespa, na terceira queda seguida após forte alta na segunda-feira. BRADESCO PN tinha baixa de 1,9%, com o índice do setor financeiro caindo 1,1%.

(Por Paula Arend Laier; edição de André Romani)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos